Decálogo para evitar afogamentos de crianças em piscinas

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Assim que começa a temporada de calor e as famílias buscam piscinas ou praias, a gente começa a ouvir nos noticiários informações sobre afogamentos seja de crianças ou de adultos. 

As praias e piscinas são lugares para desfrutar e onde as crianças encontram uma fonte de diversão e por isso os pais não podem baixar a guarda. Você sabia que um bebê pode se afogar numa piscina de apenas 30 cm de profundidade?

10 dicas para evitar que as crianças se afoguem em piscinas 

Nós, pais, podemos por em prática algumas medidas de precaução básicas para evitar um mal maior. Trata-se de cuidar da segurança das crianças e dos bebês seguindo umas dicas simples:

1 – Não perder as crianças de vista em momento algum, seja na piscina ou na praia  

2 – Não delegar a responsabilidade de vigiar um bebê a outra criança maior 

3 – Respeitar as horas de digestão das crianças 

4 – Não deixar que as crianças se banhem sozinhas 

5 – Mesmo sob supervisão dos pais, os pequenos devem usar boias 

6 – Não permitir que as crianças brinquem nas bordas da piscina

7 – Evitar se distrair falando ao celular ou lendo uma revista enquanto as crianças estão na água 

8 – Inscreva seu filho em cursos de natação com pessoal qualificado 

9 – Nunca baixar a guarda ainda que a criança saiba nadar 

10 – Não deixe que as crianças se aproximem dos pontos de drenagem na piscina, já que poderiam ficar presas 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com