Cólicas no bebê lactente

As cólicas nos bebês não se tratam de uma doença

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As cólicas se manifestam entre o primeiro e o terceiro mês de vida do bebê. A cólica do lactante é um espasmo, ou uma contração dolorosa do intestino. Trata-se de um fenômeno, de um período delicado, que causa dores na maioria dos bebês. Não se trata de uma doença grave.

Como detectar as cólicas

Pode-se detectá-la quando seu precioso bebê deixa de estar caladinho, de ser pacífico e tranquilo e começa a chorar e a gritar no final de cada tarde e no princípio da noite. O choro passa a ser constante e pode durar até três horas, já que não existe nada que possa evitá-lo. Faz com que os pais se sintam desesperados e frustrados, e no final, muito cansados. Isso é o que chamamos cólicas do lactante.

A cólica não dura para sempre

As cólicas podem manifestar-se durante a terceira semana de vida do bebê, e normalmente até a quinta ou sexta semana. Felizmente, a cólica não dura para sempre. A melhoria é lenta, mas certa, desaparecendo por completo ao terceiro mês de vida. A partir daí, se a cólica persistir, pode-se considerar outro diagnóstico como o refluxo.

Com frequência, a cólica se inicia na mesma hora do dia, e de uma forma repentina. Quando os bebês choram, também podem mover as pernas e os braços, encolhendo-os e posteriormente estirando-os. Até podem ficar bem vermelhinhos de chorar. Ao chorar, o bebê engole ar e isso provocará mais dor pelos gases e pode fazer com que o estômago do bebê se encontre inchado e duro. Apesar da dor abdominal, os bebês comem e aumentam de peso normalmente.

O diagnóstico da cólica se baseia na descrição que dão os pais do choro do seu bebê. Mas um exame físico é importante para se assegurar que o bebê não tem uma hérnia, um cabelo no olho, ou algum outro problema médico que necessite mais atenção.