Musicoterapia para a mãe e o bebê

A música enriquece o desenvolvimento físico, emocional e intelectual do bebê e relaxa a mãe

Vilma Medina

Vilma Medina

Quando um bebê, ainda no ventre de sua mamãe, escuta clássicos como  Mozart, Bach e Vivaldi, seu ritmo cardíaco se relaxa, segundo observaram muitos especialistas. O ritmo dessas canções induz a estados de serenidade.

Rosa Elena Valderrama, ex-decana do Colégio de Obstetras do Peru, revelou que, segundo sua experiência, a música pode ajudar a mulher grávida a superar seus problemas e chegar a ter um bebê saudável. A musicoterapia, segundo ela, enriquece o desenvolvimento físico, emocional e intelectual do bebê. Também se utiliza em crianças hiperativas, depressivas, agressivas, e é muito útil no tratamento de crianças autistas para ajudá-las a vencer seu isolamento e modificar modos de comportamento. As crianças com deficiências psíquicas se beneficiam com a musicoterapia.

A musicoterapia e o bebê

Muitas mullheres, durante a gravidez, podem sofrer uma carga emocional negativa que se traduz em mal estar, insegurança em relação a si mesma ou do meio em que vive, medos, frustração ou sensação de fracasso. Sem querer, elas estarão transmitindo tudo isso ao bebê que está para nascer, convertendo-o em um bebê medroso ou inseguro em si mesmo. Nesses casos, a musicoterapia representa um importante papel. O de estimular uma conexão mais profunda entre mãe e filho, e bridando-os com a tranquilidade e o auto controle.

O bebê que escutou música de maneira ordenada e sequencial durante a gestação, recebe melhor a lactância materna e seus outros alimentos, dorme mais e chora menos, já que criou vínculos afetivos positivos com sua mãe através da música. Antes de nascer, o bebê é capaz de ouvir, sentir ou aprender, sonhar, rir, memorizar e reagir com seus movimentos. Também percebe todos os sons que chegam através de sua mamãe, das batidas do coração, da respiração, circulação, digestivos, fetais, assim como do líquido amniótico. A música promove a inteligência musical e tem um efeito relaxante. A formação da personalidade começa a se desenvolver através de belas melodias, estimulando a criatividade, a concentração e a coordenação da criança que está para nascer.

A musicoterapia durante a gravidez

A musicoterapia traz benefícios não somente ao bebê, como também à mãe que está grávida. A estimulação pré-natal auditiva consegue um maior relaxamento da mulher durante o trabalho de parto, reduzindo seu nível de ansiedade, dando-lhe maior autocontrole sobre a dor e consciência sobre as sensações físicas. Ao diminuir o estresse na hora do parto, também ajudará que o bebê nasça envolvido de mais serenidade. A musicoterapia regula o estado de ânimo, alegra e suaviza os estados de tensão, estresse, e depressão. Também melhora a aprendizagem, a coordenação e a resistência física.

Como aplicar a musicoterapia

A musicoterapia é uma ferramenta fundamental para trabalhar com o bebê durante a gestação. Alguns obstetras utilizam essa terapia à gestante de forma individual, em grupo, ou no casal. Em regra geral, é um musicoterapeuta que se encarrega de orientar e formar a mulher, para que entre outras coisas, possa desfrutar plenamente da sua gravidez, participando, escutando, e expressando as sensações físicas que provoca a música. A musicoterapia também pode ser trabalhada em conjunto com o próprio obstetra da mulher. Para isso, deve-se contar com uma consulta semanal de aproximadamente uma hora. A partir do quarto mês de gestação, o bebê já tem seu aparelho auditivo desenvolvido. Esse é o melhor momento para começar com a terapia. Em casa, a futura mamãe também pode seguir com a terapia. Comece escolhendo uma música serena e melodiosa. As canções de Mozart, especialmente, são as mais recomendadas. Escute-as com paciência, e depois poderá cantá-la para o bebê. Isso favorecerá o vínculo da mãe e o bebê. Se estiver grávida e deseja ter essa experiência, consulte seu obstetra.

Fontes consultadas:

-Psicantropía.com
- Enferalicante.org
- Bebé-Shopping

Os efeitos da música nos bebês prematuros

Os efeitos da música nos bebês prematuros

Quando um bebê nasce pelo menos a três semanas antes da data prevista, é considerado um bebê prematuro, e muitos dos seus órgãos e sistemas não se encontram maduros. Saiba como a música tem ajudado na recuperação e desenvolvimento desses bebês.

Música clássica para crianças. Por que não?

Música clássica para crianças. Por que não?

Há alguns anos, minha filha junto com o seu grupo de coro foi fazer uma apresentação em um programa de televisão que se dedica a divertir, encenar, e explicar a música clássica às crianças. Na realidade, o que o programa faz é aproximar as crianças da música clássica.

Música para o bebê durante a gravidez

Música para o bebê durante a gravidez

Quem não gosta de música? Música para dançar, para relaxar, compartilhar, para educar e para entreter. Existe música para tudo, inclusive para o bebê que ainda nem nasceu. Desde o ventre da sua mãe, o bebê pode escutar e sentir a música e inclusive perceber os diferentes sons.

Dar a luz escutando música

Dar a luz escutando música

A música, ainda que não seja cantada, também converte um momento de ansiedade e de estresse em algo mais tranquilo e relaxado. Um Hospital de Madrid, decidiu instalar equipamentos musicais por toda área de partos, possibilitando com que as gestantes deem a luz escutando música.

Os benefícios de cantar durante a gravidez

Os benefícios de cantar durante a gravidez

O canto na gravidez é relativamente novo no nosso meio, mas cada vez mais sendo conhecido pelas mulheres. Cantar pode ser uma ferramenta eficaz de ajuda na gravidez e no parto.

2 comentarios

  • Luana

    2012-03-09 13:46:36

    Fiz musicoterapia durante minhas duas gestações e minhas bebês seguiram com as sessões depois que nasceram. As duas sempre dormiram praticamente a noite toda, mamaram tranquilamente e meus dois partos foram normais, muito tranquilos. Quando elas nasceram já existia um relacionamento muito forte entre nós,já nos conhecíamos há muito tempo....9 meses.... que parece que facilitou tudo isso. Acredito muito que foi a musicoterapia!

  • Gianni

    2011-02-12 01:50:15

    Sou Musicoterapeuta e amei a matéria, pois explica de um uma maneira simples alguns procedimentos básicos desse tratamento tão pouco divulgado e tão rico.

Ad