Problemas na alimentação infantil. A criança não quer comer

Por que não devemos obrigar a uma criança quando ela não quer comer

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Em muitas ocasiões, os pais, com um grande desejo de que a criança esteja bem nutrida, fazem da hora de comer o momento de mais tensão na casa, com angústia, ansiedades e reprovações às condutas da criança em relação ao alimento. As crianças têm sabedoria natural segundo as suas necessidades fisiológicas.

A fome, que é a normal demanda do alimento, é diferente do apetite, que é o normal desejo de satisfazer o desejo. Assim que se come por necessidade e não por obrigação.

Meu filho não quer comer nada

Quando a criança se recusa a comer

A conduta alimentícia necessita um guia e ninguém melhor que a mãe para valorizar este feito de grande importância no crescimento físico e emocional do filho. Como deve ser a alimentação das crianças? Idéias para despertar mais o interêsse da criança pela comida e não afastá-la do prato.

- A hora da refeição deve ser agradável e necessária para a criança. Evite condicionar o castigo se não come todo o prato.

- Ajude à criança diante da percepção da comida. Sirva-lhe no prato maior a mesma quantidade de comida, de modo que perceba pouca comida dentro do seu prato.

- Pode motivá-la a colocar a mesa, deixar que ela mesma se sirva e decida e tenha autonomia sobre seus gostos alimentares.

- Sempre que puder, permita-lhe que coma com seus pais para que se aproprie aos hábitos alimentares da família, assimilando a conduta e modelos desta.

- Permitir escolher seu menu pode influenciar no êxito ou fracasso de sua alimentação. O êxito não significaria somente que os alimentos cheguem à criança, mas o desenvolvimento natural e saudável da criatura ao alimentar-se.

Não pretenda que a criança coma a mesma quantidade de alimento que você. Deixe que ela decida e coma a quantidade que necessita para satisfazer sua fome e desenvolver de forma saudável seus gostos.

Se o problema torna-se crônico e chega a criar um mal-estar emocional sem soluções na família, consulte o médico da criança. E lembre-se: cada criança é única também na alimentação, nem todas necessitam comer o mesmo.