A doença celíaca. Criança considerada celíaca

A doença celíaca é um transtorno ocasionado por uma intolerância ao glúten

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A doença celíaca, não é uma alergia, mas sim um transtorno auto-imune caracterizado por lesão da mucosa intestinal, provocada por uma incapacidade de digerir o glúten.

O glúten é uma proteína que está presente no trigo, aveia, centeio, cevada e malte. O glúten confere elasticidade e auxilia no crescimento das massas em geral.

Por que os celíacos devem evitar o glúten

Doença celíaca. Quando uma criança é celíaca

Para que você entenda melhor, o nosso intestino está cheio de micro-vilosidades, que existem para absorver os nutrientes que ingerimos através dos alimentos. Em portadores da doença, os alimentos com glúten agridem e prejudicam essas vilosidades, o que pode resultar em deficiência de vitaminas, minerais e redução da absorção de calorias, importantes para garantir o correto funcionamento de nossas células.

Quando se manifesta a doença celíaca

A doença celíaca se manifesta, geralmente, na infância, entre o primeiro e o terceiro ano de vida, porém pode surgir também na fase adulta. Os sintomas comuns são:

-Diarréia crônica ou prisão de ventre;

-Flatulência;

-Dificuldade de ganhar peso;

-Erupções na pele;

-Cansaço ou fadiga excessiva;

-Excesso de irritabilidade;

-Anemia resistente ao tratamento;

-Infertilidade e osteoporose. 

O tratamento da doença celíaca

Para o tratamento da doença é fundamental realizar acompanhamento com nutricionista, a fim de seguir uma dieta rigorosa, que exclua o glúten da alimentação. A retirada do glúten da dieta leva a regeneração das micro-vilosidades intestinais e melhora na absorção de nutrientes, acabando com os sintomas manifestados pela maioria dos portadores de doença celíaca.

Dieta para crianças celíacas:

- Para saber que a criança pode consumir o alimento, é importante criar o hábito de ler os rótulos dos produtos. Os produtos alimentícios, por lei, devem incluir a informação sobre a presença de glúten;

- Não se deve consumir alimentos que contenham trigo, aveia, centeio, cevada e malte em sua composição;

- Incluir alimentos a base de arroz, quinua ou quinoa, soja e milho. Exemplos: massas, biscoitos, barras de cereais, torradas e pães;

- As farinhas de trigo e centeio, podem ser substituídas por farinha de arroz, fécula de batata, fécula de mandioca, farinha de banana ou farinha de quinua;

- É de extrema importância incluir frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos na alimentação das crianças. Estes alimentos são ricos em fibras, vitaminas e minerais;

- As gorduras poliinsaturadas também devem fazer parte de uma alimentação equilibrada, já que contribuem para o controle do colesterol sangüíneo. Por isso, não deixe de incluir nas refeições dos seus filhos: óleos vegetais (linhaça, gergelim, coco), azeite de oliva extra virgem e sementes oleaginosas (abóbora, linhaça, girassol, castanhas, amêndoas, avelãs e nozes).

- É aconselhável alimentar a criança a cada 3 horas com lanches rápidos e saudáveis como frutas secas, frutas naturais, biscoitos integrais e barras de cereais;

- É recomendável realizar as refeições em lugares calmos e tranqüilos, mastigando bem os alimentos e evitar beber muito líquido durante as refeições.