Como a hepatite afeta as crianças

O que é e que tipos de hepatite existem na infância

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A hepatite se define como a inflamação do fígado. Pode ter muitas causas, desde farmacológica até tumoral, se bem que as principais são as infecciosas.

A forma mais frequente da hepatite infecciosa é a secundária aos catarros. Como a dita inflamação passa geralmente inadvertida não é levada em conta. Mas, se fizéssemos uma análise em todas as crianças com catarro poderíamos comprovar. 

Tipos de hepatite e como afetam as crianças

como-a-hepatite-afeta-as-crianças A

A maneira de ver que um paciente tem o fígado inflamado é fazendo uma análise de sangue. A hepatite produz aumenta de umas proteínas chamadas transaminases. 

Comentaremos brevemente algumas das hepatites específicas:

1. Hepatite A. É uma forma comum da hepatite na infância, em países em desenvolvimento. No nosso meio se vê ocasionalmente. Contagia-se via fecal-oral. Aparece como uma gastrenterite aguda (febre, vômitos, diarréia), mas é acompanhada de icterícia. A icterícia é a cor amarelada na pele e nos olhos. É produzida pelo aumento da bilirrubina no sangue. Além disso, é muito típico dos doentes que ‘urinam com cor de coca-cola’. Não é nenhum tratamento específico, se bem que temos que ter uma higiene de mãos cuidadosa. Quando existem vários casos numa mesma escola é indicado vacinar todas as crianças contra a hepatite A, da mesma forma que é indicado vacinar todos os familiares.

2. Hepatite B. É rara na infância. A via de contágio mais habitual em crianças é através da placenta e ocorre em crianças cuja mãe esteja infectada pelo vírus. Tende a ficar crônica. É possível prevenir iniciando a vacinação contra o vírus e administrando à criança gamaglobulina específica (defesas). 

3. Hepatite C. É rara na infância. A via de contágio não se conhece na sua totalidade. Fala-se de via parenteral (contato com sangue de uma pessoa infectada) e via sexual, mas com certeza existem mais vias que são desconhecidas. Tende a ficar crônica. Não existe nenhuma estratégia de prevenção eficaz. 

4. Outras hepatites. Na infância é frequente que se inflame o fígado coincidindo com processos como a mononucleose infecciosa (‘doença do beijo’) e outros quadros similares (infecção por citomegalovírus, toxoplasmose, varicela, herpes, HIV, etc.). 

O fato de ter hepatite não implica que tenha que fazer uma dieta especial. A única precaução comum é evitar o consumo de alguns medicamentos que podem se acumular no fígado (como o paracetamol) durante um mínimo de 3 semanas. 

 Iván Carabaño Aguado

Chefe do Serviço de Pediatria 

Hospital Universitário Rey Juan Carlos

Hospital General de Villalba