Como distinguir os tipos de sinais nas crianças

Prevenção e diagnóstico do câncer de pele e o melanoma infantil

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Existem crianças mais propensas a ter sinais, sardas e manchas na pele. Podem ser crianças de pele muito branca. Mas, a pele escura tão pouco se livra do risco de desenvolver um melanoma ou um câncer de pele. Se o seu filho tem sardas, observe-os bem para ver se alguma pinta tem algo fora do normal. A Dra. Ángela Hernández Martín, dermatologista do Hospital Niño Jesús de Madrid, nos explica como detectar um sinal maligno.

Como detectar um sinal maligno na pela da criança

como-distinguir-os-tipos-de-sinais-crianças A

O que devemos observar em um sinal ou em uma mancha da pele para ver se apresenta características anômalas, que façam suspeitar de um câncer de pele?

As lesões pigmentadas mais frequentes nas crianças pequenas são as pintas. Durante a infância vão aparecendo progressivamente, com mais frequência a nível do tronco, e também parece que existe uma influência muito importante do sol no desenvolvimento de pintas ou nevus. Nas crianças, em geral, todas as pintas costumam ser benignas. Mas, quais os sinais que devem preocupar aos pais para levá-las ao dermatologista e poder descartar um possível câncer de pele? Temos a regra do A, B, C, D e E.

A, de assimetria. 

B, de bordas irregulares. O nevus ou pinta benigna têm bordas arredondadas, enquanto os que podem ser malignos têm bordas angulares, que se estendem mais por uma zona do que outra. 

C, de cor. A heterogeneidade de cor pode ser símbolo de alerta.

D, de diâmetro. Um diâmetro maior que 0,5 cm nos levam a olhar para a pinta com uma atenção maior porque pode haver debaixo um câncer de pele. 

E, de elevação. A elevação, quando existe uma pequena saliência que se apalpa e não apenas se vê. 

Qualquer desses sintomas destes sinais nos devem fazer consultar um dermatologista. Não são por si sós sinais irrefutáveis de malignidade, mas um sinal de alerta que nos devem colocar alertas. 

Os pais de crianças sardentas devem se preocupar?

As manchas na criança pequena, muitas vezes, são constitucionais. Habitualmente, essas pintas se localizam no nariz e nas bochechas, e são muito visíveis em crianças branquinhas, de fotótipo muito claras ou ruivas. A princípio, são constitucionais que vão apresentar durante toda a vida. Aumentam e escurecem no verão, mas não são preocupantes. Existe outro tipo de pintas que podem ser indicadoras de algum tipo de doença, mas geralmente não passam despercebidas pelo pediatra, porque vêm acompanhadas de outro tipo de manifestações, não somente cutâneas.

Como podemos distinguir entre os diferentes tipos de pintas? 

As manchas que aparecem nos ombros e na parte superior do tronco, como no decote ou na parte superior das costas são produto de queimaduras solares repetidas, de queimaduras intensas que a criança tenha sofrido nos primeiros dias que vai à praia e que refletem, de certa maneira, pouca precaução com queimaduras solares, seja porque a criança tenha usado pouco protetor solar ou porque não repetiu o uso após o banho de mar ou de piscina ou ainda tenha tomado sol nos horários centrais do dia. 

É importante que as crianças se protejam do sol, que seja um costume que adquiram desde pequenos, e que tenham em mente que tanto os pais como a criança, que nos dias nublados, nas excursões às montanhas e nesses dias que o sol parece estar mais ameno, pode provocar uma queimadura solar importante. O uso de camisetas é o único protetor absoluto da pele. Isso deve ser levado em conta. Portanto, aconselho de maneira geral, que a criança use uma camiseta quando estiver na praia ou vá à montanha, se tiver risco de se queimar. Agora existem tecidos especiais, que transpiram muito bem e que protegem bem do sol.