O poder do vínculo entre mães e filhos

O poderoso vínculo que une os filhos às suas mães

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Seu filho precisaria te ver para saber que é você? Necessitaria te escutar? A resposta é Não. Um Não enorme. Bastaria se aproximar de você, tocar-te, sentir-te. É o vínculo materno, um laço invisível que une aos filhos com suas mães, desde que, um dia, outro vínculo (físico) os uniu. Mas, este novo vínculo, o que não se pode ver, você está construindo e fortalecendo a cada dia? 

O poderoso vínculo que une os filhos às suas mães

o-poder-do-vínculo-entre-mães-filhos A

Qual a primeira coisa que uma mãe faz quando vê o seu filho pela primeira vez? Abraça-o. Qual a primeira coisa que o seu bebê faz? Sentir a pele da sua mãe. Escutar as batidas do coração. Essa cena implica num começo de uma relação que os unirão para sempre. Não importa as vezes que a mãe mude a cor do cabelo, nem a roupa que veste. Não importa se muda a voz ou o perfume que utiliza. Seu filho será capaz de reconhecê-la de qualquer forma.

Um experimento que demonstra que o vínculo materno existe 

Sete mães vestidas de modo similar. Sete crianças que têm que apontar a sua mãe. Não será fácil. Neste experimento, as crianças se aproximam delas com os olhos tapados. Os pequenos não duvidam nem um segundo. Eles têm uma certeza: basta se aproximar da sua mãe para reconhecê-la.

A explicação é esta: conexão, vínculo. Uma conexão que não entende de sentidos. Não é o cheiro, nem a voz. Nem sequer o tato. É algo mais. Uma faísca, uma sensação. Algo não material que escapa ao raciocínio.

Mas, o que significa que um pai não pode ter também um vínculo com o seu filho? O vínculo que une mães e filhos se constrói dia a dia. Ele é construído a base de abraços, beijos, frases positivas. É construído com o tempo de dedicação. E de amor, é claro. Por isso, uma mãe que adota também pode construir um vínculo afetivo com o seu filho. E também um pai pode ter um poderoso vínculo afetivo com o seu filho. E, por que não, um avô? 

O que realmente cria o vínculo é, sem dúvida, a conexão. Essa capacidade de se comunicar com o seu filho sem palavras. De saber o que se sente. Por isso, dedique tempo ao seu filho. Fortaleça o vínculo a cada dia. Abrace-o, olhe nos olhos. Deixe que fale com você. Presenteie com carícias e nunca se esqueça de beijá-lo muito.

Estefanía Esteban
Redatora de GuiaInfantil.com