Como gerenciar as emoções negativas das crianças

Vilma Medina

Vilma Medina

Cada dia se fala mais da importância em controlar as emoções, especialmente num mundo tão exigente e fugaz em que vivemos. As emoções são importantes porque não só nos ajudam a nos comunicarmos com os outros, como também porque nos ajudam a perceber nosso melhor estado emocional. 

O que fazer para que nossos filhos sejam inteligentes nas suas emoções? O que podemos fazer para que eles aprendam a controlar suas emoções, transformar as negativas em positivas e aprender com elas? 

Transformar as emoções negativas das crianças em positivas

como-gerenciar-as-emoções-negativas A 

As crianças manifestam suas emoções através do seu corpo, mãos suadas, choros, risos descontrolados, especialmente em situações que jamais vivenciaram ou naquelas que têm que protagonizar. Minha filha, por exemplo, sempre durante a decolagem de um avião fica com as mãos geladas e com excesso de transpiração. Logo se tranquiliza, mas esse momento acontece várias vezes, por mais viagens de avião que ela faça. 

Emoções ou sentimentos como o medo, a insegurança e a ansiedade são normais, mas até certo ponto. Elas se tornam negativas quando impede as crianças tomarem decisões ou a encontrar a solução para algum problema. São negativas quando paralisam as crianças ou as impede de fazer o que gostam. Por isso, é muito importante ensinar as crianças a mudá-las de negativas em positivas. Como? Aqui vão algumas dicas: 

1 – A primeira coisa é fazer com que a criança tenha consciência das suas emoções negativas. É necessário identificar cada uma dessas emoções e tê-las como algo que pode fazer muito dano. Fale com o seu filho, compartilhe suas emoções com ele e explique para ele como você tenta controlá-las. 

2 – Para ensinar as crianças a controlar suas emoções é necessário orientá-las para entendê-las. Por que tenho medo? Por que estou suando tanto só para falar em voz alta na sala de aula? Nada melhor que elas mesmas detectem e busquem o porquê das suas emoções. 

3 – É importante ensinar às crianças que não existe razão justificável para que essas emoções as paralisem ou as impeçam de fazer algo que querem ou desejam. Que devem combatê-las cada vez que aparecerem e não deixar que essas emoções negativas as dominem. 

4 – Colocar a transformação em ação. Ou seja, ao invés de se sentir insegura, melhor alimentar sua autoestima e se encher de coragem. Ao invés de ter medo, melhor enfrentá-la com força, fé e determinação. No lugar de se sentir ansiosa, melhor se concentrar em viver bem o momento presente. Ao invés de desejar o que os outros têm melhor felicitá-las por tê-las e estarem contentes com o que têm. 

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com

Uma boa auto-estima. Criança que se aceita como é

Uma boa auto-estima. Criança que se aceita como é

Autoestima das crianças. A valorização de si mesmo é um grande passo para uma boa auto-estima.  A aceitação e a valorização, são tijolos básicos dentro da construção de uma boa auto-estima. A criança que se sente aceita como é, é uma criança que aprende a assumir seus erros, e posteriormente, a convertê-los em melhorias.

Crianças Sensíveis. Suas emoções e sentimentos

Crianças Sensíveis. Suas emoções e sentimentos

A Criança Sensível é facilmente reconhecida. Ela possui habilidades e percepções da vida diferente das outras crianças. Ela vai do riso ao choro com facilidade e se emociona com situações do cotidiano, além de apresentarem traços incomuns em seus desenhos.

Inteligência emocional das crianças

Inteligência emocional das crianças

A Inteligência emocional na infancia. É a capacidade para pensar, para raciocinar sobre as emoções. E isso implica antes de tudo, identificar as próprias emoções, assim como a dos outros. Temos que saber educar emocionalmente as crianças.

Como falar de emoções e sentimentos com as crianças

Como falar de emoções e sentimentos com as crianças

Os laços de união são mais fortes quanto maior é a capacidade de falar de aspectos íntimos e individuais. Mostrar nossas fraquezas, nossos medos ou nossa alegria não nos torna vulneráveis dentro do seio familiar, mas nos torna mais humanos e naturais. É uma forma de começar a falar de emoções e sentimentos com os filhos.

As emoções da criança: do riso às lágrimas

As emoções da criança: do riso às lágrimas

O choro é a primeira forma de comunicação dos pais com o bebê e acaba se tornando no sinal prioritário para chamar a atenção. Geralmente, quando deixa de chorar é porque o pegamos no colo.

0 comentarios