A era das mamães avós

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Uma advogada holandesa tornou-se notícia por ser a mãe com mais idade ao dar a luz na Holanda. Esta mulher que deu a luz a uma menina após uma fecundação in vitro graças a uma doação de óvulo e esperma tem 63 anos. 

Ainda que na Holanda o limite de idade para os tratamentos in vitro se situa nos 45 anos, porque a partir dessa idade existem muitos riscos para a mãe, esta holandesa viajou até a Itália para se submeter a este tratamento. Posteriormente, deu a luz na Holanda superando o recorde de 57 anos que pertencia a outra mulher. 

Ser mãe quando se poderia ser avó

a-era-das-mamães-avós A

Será que o instinto maternal é tão forte para colocar em perigo a saúde numa idade tão avançada? Que esperança de vida pode oferecer estas mulheres aos seus filhos ao se tornarem mães no ocaso dos seus dias? Rios de tinta já foram escritos sobre a depressão da mulher no climatério, sobre o que implica não dispor mais da nossa função reprodutiva e quando nossos filhos se vão de casa e entramos em cheio na chamada Síndrome do Ninho Vazio. Depois de uma vida toda de trabalho e sacrifícios necessitamos encontrar algo que nos encha de esperança. 

Suponho que a este ponto chegam essas mulheres, que se lançam a uma aventura de ter um bebê que encha a sua vida na velhice, que acenda o seu amanhecer com ternura, que desperte no seu coração a centelha do amor, que lhes ofereça um novo motivo a cada dia para se levantar pela manhã e que as façam rejuvenescer e se sentir mais jovens de novo como mães de uma criança. Os novos avanços na medicina reprodutiva tornaram realidade os sonhos de muitas mulheres que ignoram o relógio biológico e decidem colocar a maternidade em prática. 

A idade limita, mas não paralisa se você quiser ser mãe. Outros motivos foram os que moveram uma mulher de 61 anos que ‘alugou’ o seu ventre para a sua filha de 35 anos, que não conseguir ter filhos. Todo um paradoxo foi o caso de uma jovem de Chicago que decidiu recorrer à sua mãe de 61 anos para que desse a luz ao seu pequeno. O óvulo foi dela e o esperma do marido, mas o útero da sua mãe. Depois de que a sua filha tinha dado a luz a gêmeos mortos e após a mãe assistir ao sofrimento após um aborto involuntário na segunda tentativa, esta mulher, mãe na juventude de três filhas decidiu generosamente ajudar a sua filha a trazer o seu primeiro filho ao mundo, que na realidade é o seu neto. 

Marisol Nuevo

Redatora de Guiainfantil.com