Aborto espontâneo na gravidez

O que é aborto espontâneo e por que acontece durante a gravidez

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Denomina-se aborto espontâneo a perda involuntária do feto antes da 20ª semana de gravidez. Se o aborto acontece depois dessa semana de gestação passa a se chamar parto prematuro. O aborto natural pode ocorrer no primeiro trimestre de gravidez, sobretudo entre as semanas 6 e 8 da gravidez e pode provocar uma grande frustração e tristeza nas mulheres que vivenciaram essa experiência. 

Sinais e causas do aborto espontâneo

aborto-espontâneo-gravidez A

O sinal mais evidente de aborto é a hemorragia vaginal. Deve-se distinguir entre uma pequena mancha que pode acontecer devido à implantação do embrião no começo da gravidez, e o sangramento que pode terminar num aborto natural. Essa hemorragia é mais abundante e pode vir acompanhada de câimbras similares às produzidas pela menstruação. 

Na maior parte dos abortos existe uma anomalia cromossômica no feto que torna inviável o desenvolvimento do bebê. São abortos fortuitos e não tem porque haver um problema genético no pai ou na mãe

Em outros casos podem ser devidos a: 

- Infecções 

- Incompetência do colo do útero 

- Problemas hormonais

- Abuso do álcool, drogas ou tabagismo 

- Alterações no útero como os fibromas (miomas) 

- Doenças da mãe como o diabetes, hipertensão, cardiopatias ou tireóide 

- Febre superior a 38ºC

Se acontecer pequenos sinais que indicam que um aborto poderia ser produzido, os especialistas realizarão uma ecografia para comprovar que o embrião se desenvolve corretamente e existe batimento cardíaco. 

Tratamento para um aborto espontâneo

O tratamento dependerá do tipo de aborto que foi produzido (se é recente ou se já havia semanas que aconteceu e não havia sinais até o momento), além da intensidade da hemorragia e da semana de gestação. Se o aborto aconteceu antes da 7ª semana de gravidez, a medicação pode ser eficaz para evitar uma intervenção cirúrgica e provocar para que saiam todos os restos da gravidez. Em caso contrário, será necessária uma curetagem em que se introduz um tubo plástico pelo útero e se retiram mediante sucção dos restos.

Ter um aborto não é um impedimento de voltar a engravidar, nem tão pouco tem por que voltar a ocorrer. A maioria das mulheres volta a engravidar sem problemas. Em todo o caso, os médicos recomendam esperar de um a três meses. No caso de acontecer três abortos consecutivos, a mulher deve procurar um especialista para analisar a causa e possível solução. 

Os abortos no final da gravidez ou partos prematuros são menos frequentes e suas causas são distintas aos que acontecem no primeiro trimestre de gravidez. 

O corpo pode se recuperar rapidamente de um aborto. No entanto, é um forte choque para os pais e a dor psicológica é tão intensa em algumas pessoas que custa muito a elas se recuperarem do golpe. O apoio do companheiro e da família é muito importante para ajudar na superação.

Alba Caraballo

Editora de Guiainfantil.com