Os riscos da gravidez na adolescência

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Você parar em frente a uma vitrine de roupas diante da figura de uma criança grávida com a mochila nas costas e suas meias na metade da canela, impacta, e muito. A primeira coisa que você pensa é: Como podem fazer uniformes escolares para crianças grávidas? Logo vem a indignação e a raiva. 

Mas, essa polêmica campanha não busca vender roupa, nem lucrar à custa da gravidez de menores. Pelo contrário. O que tenta aqueles manequins venezuelanos é alertar sobre o aumento de gravidezes adolescentes, com os riscos que isso implica tanto a nível físico como emocional para as crianças. 

Por que a gravidez em menores é considerada uma gravidez de risco

riscos-gravidez-adolescência-meninas A 

Os dados causam calafrios. Na Venezuela, a cada três minutos, uma menor engravida. Mais de 30% abandonará a escola. Muitas pessoas ficaram incomodadas com essa campanha no Centro Comercial Sambil de Caracas. Certamente, a realidade, quando é dura, ela incomoda. Ou talvez, envergonhe. O que realmente se tenta criar é uma consciência, sobretudo o que implica uma gravidez durante a adolescência, quando a mulher ainda não está preparada nem física nem emocionalmente para esse importantíssimo passo. 

As gravidezes adolescentes são consideradas como gravidez de alto risco por muitos motivos. Entre eles, as mudanças que vão acontecer no corpo, e, sobretudo na vida da menina. De cara muda seus bonecos, sua parede forrada com fotografias de atores e cantores famosos, seus doces e livros da escola, por roupa de bebê, mamadeira e livros sobre amamentação

A menina, que antes saia com seus amigos até tarde, agora terá que ficar velando toda a noite para acalmar ao seu bebê. Perderá amigos e mudará seu círculo de amizades. E o que é pior, muitas vezes não voltará para terminar seus estudos. 

Riscos físicos numa gravidez adolescente 

- As gravidezes durante a adolescência apresentam mais problemas de nutrição. Sobretudo, se as taxas de anemia da mãe disparam. A grávida não possui os nutrientes necessários para que o bebê se desenvolva da maneira correta. 

- Altos índices de abortos espontâneos e de nascimentos de bebês prematuros (isso é, antes da 37ª semana de gestação). Os índices de casos de placenta prévia e pré-eclampsia são muito altos. 

- Se a gestante tem menos de 15 anos, existe mais possibilidade de que o bebê nasça com alguma má-formação.

Os especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) asseguram que a idade propícia para a gravidez é a compreendida entre os 20 e 35 anos. Para evitar gravidezes cedo demais, a organização orienta às famílias que conversem e ensinem bem os menores (tanto elas como eles) para que estejam conscientes dos riscos que uma gravidez adolescente implica. Sempre é melhor apostar na informação do que pela simples proibição. Muito mais persuasivo e eficaz. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com