Uma criança inventa um sistema para não esquecer o bebê dentro do carro

Vilma Medina

Vilma Medina

Quando chega o verão e com ele as altas temperaturas, lamentavelmente acontecem fatalidades de bebês que morrem ao serem esquecidos dentro do carro. Pode parecer complicado e até mesmo impossível esquecer-se de uma criança dentro de um carro, mas, no entanto, a tragédia é muito frequente, devido à distração dos pais. Como evitar que isso aconteça? Uma criança de 12 anos tem a solução.

O perigo de deixar o bebê dentro do carro

uma-criança-inventa-sistema-bebê-carro A

Andrew Pelham é uma criança americana de 12 anos que criou um sistema simples de utilizando somente correias de borracha e fita adesiva. Em sua página web, Andrew explica passo a passo como criar esse dispositivo de segurança que será colocado no banco do condutor (lado de trás) ligado através de uma corda de borracha à maçaneta da porta do motorista. Dessa forma, quando o motorista tentar sair do carro ele topará com a corda de borracha e servirá de recordação sobre a presença de crianças no banco traseiro. 

O sistema é barato e, além disso, ajudou o seu criador a ganhar um prêmio, que anuncia em seu site em breve chegar um tutorial em vídeo. 

A maior parte das tragédias relacionadas com o esquecimento de uma criança dentro do carro está associada a bebês menores de dois anos. Pode ocorrer diante de um esquecimento ou distração de um dos pais e ocorre em todos os níveis, tanto econômicos como educativos.

Um carro estacionado ao sol, inclusive no inverno, pode fazer subir sua temperatura de forma substancial em poucos minutos. No verão se torna mais perigoso, tanto assim, que quando a temperatura exterior é de 35ºC, a do interior do carro pode chegar a 65ºC em apenas 15 minutos. Isso implica que uma criança com uma temperatura média de 36ºC pode alcançar de 42 – 43ºC de temperatura corporal nos primeiros trinta minutos dentro de um carro ao sol e morrer em decorrência disso.

É tão perigoso que, nem sequer deveríamos deixar o bebê dentro do carro para realizar uma compra rápida, já que poderia sofrer uma insolação em um curto espaço de tempo. É bom lembrar que a capacidade de regular a temperatura corporal é muito menor em uma criança do que em um adulto.

Andrew não é a primeira pessoa preocupada com isso. Existem outros inventos prévios para evitar mortes de bebês esquecidos dentro de carros, como aqueles que constam de sensores situados na cadeirinha do bebê quando a porta do motorista se abre. Este dispositivo detecta se a cadeirinha está ocupada e faz soar um sinal acústico quando o carro estiver parado e o motorista abrir sua porta. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com

Quando o bebê pode tomar sol

Quando o bebê pode tomar sol

O bebê e o sol. Conselhos sobre a partir de que idade o bebê pode tomar sol. A partir que idade o bebê pode tomar sol? Qual o melhor horário? Qual o melhor filtro solar para os bebês?

O sol é a maior fonte de vitamina D para as crianças

O sol é a maior fonte de vitamina D para as crianças

Sol, sim ou não? Os médicos não deixam de insistir que devemos tomar cuidado na hora de pegar um solzinho, tanto crianças como adultos. No entanto, protegê-los do sol não significa não expô-los. O sol é a fonte mais importante para assimilarmos a vitamina D.

Como tratar as queimaduras solares na pele de uma criança

Como tratar as queimaduras solares na pele de uma criança

Conseguir ir com a família para uma praia por alguns dias é o sonho de todo o mundo. As precauções para desfrutar do sol com a família é muito importante. Mas, qualquer prevenção é pouca e às vezes acontece que as crianças se queimem com o sol.

10 dicas para que as crianças superem o calor

10 dicas para que as crianças superem o calor

Quando o termômetro supera os 40º C não sobra alternativa do que tirar todas nossas ‘armas anti-calor’ que dispomos: muita água, alimentos que hidratam, procurar uma piscina, sombras, uma mangueira... Pior ainda no caso das crianças, que sofrem com mais intensidade o calor.

Perigos que os bebês enfrentam na piscina

Perigos que os bebês enfrentam na piscina

A piscina implica em vários riscos para o bebê e os pais devem conhecê-los e estar alerta para protegê-lo: risco de afogamento, risco de contusões, lesões graves, queimaduras e insolações, infecção por fungos, dermatite, conjuntivite, etc.

0 comentarios