Crianças seguras na piscina

As mortes por afogamento entre crianças aumentam quase 90% no verão

Vilma Medina

Vilma Medina

Os acidentes em piscinas podem acontecer em qualquer época do ano, mas é no verão, que os pais devem dar mais ênfase na segurança dos pequenos para evitar algum acidente. As mortes por afogamento entre crianças menores de 14 anos aumentam quase 90% na época estival com respeito ao resto do ano, de acordo com a Organização Safe Kids Worlwide.

Vigilância e medidas de segurança para as crianças em piscinas

crianças-seguras-na-piscina A 

Safe Kids Worldwide aconselha não perder de vista em nenhum momento os pequenos, inclusive aqueles que já saibam nadar, enquanto estiverem na piscina. Um segundo fora da vista de um adulto é suficiente para que um pequeno se afogue. Os especialistas aconselham que o adulto que estiver a cargo da criança evite se distrair lendo, falando ao telefone, ou cortando a grama enquanto supervisiona aos menores na piscina. Além dessa vigilância, também se deve utilizar outras medidas de segurança como instalar cercas, utilizar bóias ou ensinar a criança a nadar. A instalação e o uso adequado de uma cerca que rodeie a piscina em um condomínio ou nas casas poderiam prevenir de 50 a 90% dos casos de afogamento, de acordo com a organização.

Os especialistas recomendam que esta cerca seja de pelo menos um metro e meio de altura e com fechamento automático, fora do alcance das crianças para maior segurança. Mesmo assim, instalar alarmes nas portas da casa que dão acesso à área da piscina pode servir para alertar no caso das crianças saírem sem sua autorização. Manter em todo o momento uma equipe de resgate e um telefone perto da piscina para poder agir com rapidez no caso de uma emergência.

Conselhos para a segurança infantil dentro da água

Uma vez que o banho tenha terminado, retire todos os brinquedos da piscina para evitar que os seus filhos se sintam atraídos por eles e decidam mergulhar na água. Não se deve permitir que as crianças se aproximem dos pontos de drenagem da piscina (ralos), mesmo que estejam cobertos ou não, já que um pequeno descuido poderia fazer com que o cabelo ou outra parte do corpo do menor seja sugado e fique preso no ralo e morra afogado. 

Inscreva seus filhos em aulas de natação com um instrutor qualificado. Os especialistas sugerem que a melhor idade para aprender a nadar é a partir dos quatro anos, mas as crianças podem começar antes e aprender técnicas que possam ajudá-las a se movimentar com maior segurança na água. Mesmo assim, os especialistas recomendam não ‘baixar a guarda’ pelo fato de que a criança saiba nadar, já que um descuido poderia ser fatal. E em nenhum caso permitam que as crianças fiquem correndo em volta da piscina, já que uma queda nessas circunstâncias pode ser muito perigosa.

Fonte consultada: Safe Kids Worldwide

Prevenção de acidentes de crianças na Piscina

Prevenção de acidentes de crianças na Piscina

Prevenção de acidentes de crianças na Piscina. O que podem e devem fazer os pais para que as crianças estejam seguras nas piscinas.

Como evitar que as crianças se afoguem

Como evitar que as crianças se afoguem

Os afogamentos são a segunda maior causa de morte e a sétima de hospitalização por motivos acidentais entre crianças com idade de zero a 14 anos, no Brasil. As crianças podem se afogar na banheira, na praia, na piscina... veja como evitar os afogamentos na infancia:

Afogamento. Primeiros socorros para as crianças

Afogamento. Primeiros socorros para as crianças

Afogamentos de crianças acontecem principalmente pela distração dos pais. Na correria do dia a dia, qualquer descuido pode ser fatal. Muito cuidado com baldes, tanques, banheiras, piscinas. A criança pode se afogar até em cinco centímetros de água.

A necessidade de ensinar a criança a nadar

A necessidade de ensinar a criança a nadar

Um dos meus temores mais obsessivos é que eu me distraia dos meus filhos e possam se afogar na piscina. De vez em quando até sonho com isso! Eu me desespero muito em perdê-los de vista na praia cheia ou quando fico conversando.

Perigos que os bebês enfrentam na piscina

Perigos que os bebês enfrentam na piscina

A piscina implica em vários riscos para o bebê e os pais devem conhecê-los e estar alerta para protegê-lo: risco de afogamento, risco de contusões, lesões graves, queimaduras e insolações, infecção por fungos, dermatite, conjuntivite, etc.

0 comentarios