Como agir diante da bronquiolite de um bebê

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A bronquiolite infantil é uma doença respiratória aguda frequente nos primeiros anos de vida, durante o inverno e no início da primavera, em que afetam os bronquíolos (parte terminal dos brônquios). Pode existir dificuldade respiratória e febre. Tosse, chiados e retrações no peito são os sintomas chaves para o seu diagnóstico. 

Eu lembro em uma ocasião que procurei o serviço de emergências com meu pequeno quando tinha o típico catarro de vias altas, mas no ambulatório me aconselharam que o levasse ao hospital infantil para descartar uma possível bronquiolite, porque ali o analisariam melhor. Finalmente, a doutora que nos atendeu, mediante a auscultação dos seus pulmões descartou a bronquiolite e acrescentou: ‘a bronquiolite ainda não chegado, mas estamos preparados’. 

Tratamento da bronquiolite nos bebês

como-agir-diante-da-bronquiolite-bebê A 

Mais cedo ou mais tarde, o serviço de emergência médica espera ano após ano o aparecimento dessa frequente doença que afeta as crianças com menos de um ou dois anos porque neles, os bronquíolos são muito pequenos para desobstruir diante de uma inflamação impedindo a passagem do fluxo de ar e pode ser produzido por vírus, que no início apresenta um quadro catarral. Para o tratamento se recomenda: 

- Higiene nasal frequente e a aspiração dos mucos mediante aspirador nasal para eliminar do peito a mucosidade existente nas vias altas. 

- Proporcionar ao bebê umidade ambiental para amolecer a mucosidade dos pulmões. Para isso são empregados aerossóis com soro fisiológico. 

- Para dormir se aconselha que a cabeça e a parte superior do bebê estejam ligeiramente levantadas para facilitar a respiração.

- O emprego da fisioterapia mediante ‘tapinhas’ nas costas e no peito com a ‘mão oca’ é útil para retirar as secreções dos bronquíolos. 

- Às vezes, ainda que nem sempre, o pediatra pode recomendar uma medicação bronco-dilatadora administrada mediante aerossóis e paracetamol ou algum antipirético para a febre.  

- Manter um ambiente quente, úmido e livre de fungos é imprescindível para a recuperação. Se o bebê sai à rua é conveniente que respire através de um lenço. 

- Os banhos de vapor também podem aliviar a obstrução das vias respiratórias e a eliminação de muco. Para as crianças menores de dois meses é considerada uma doença perigosa. A esses pequenos a gente deve levá-los ao médico diante de qualquer sinal de febre ou dificuldade respiratória, mas para a maioria, o estado dura mais ou menos uma semana com o tratamento adequado. Essa doença se contagia como os resfriados, através do contato com saliva e muco, portanto convém empregar medidas higiênicas como lavar as mãos, o emprego de lenços de papel e a lavagem rígida das máscaras dos aparelhos de nebulização se fizermos a terapia em casa.

Patro Gabaldón

Redatora de GuiaInfantil.com