Incrível foto do poder do leite materno para curar o bebê

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Mallory Smothers é uma mamãe de Arkansas (Estados Unidos) que publicou no Facebook uma foto de duas bolas de leite materno que tinha extraído em dias consecutivos que se tornou viral. O da direita continha leite extraído no segundo dia, e sua cor e densidade eram bem diferentes. Coincidiu que essa noite a sua filha tinha começado a apresentar mucos e muita tosse. 

Para essa mamãe, a foto é uma prova de como o leite se adaptou às necessidades que o seu bebê tinha nesse momento, ou seja, para ajudar-lhe a combater o resfriado. Isso nos faz refletir sobre o poder do leite materno

O leite materno pode se adaptar às necessidades do bebê?

incrível-foto-do-poder-do-leite-materno A 

Mallory comentou no Facebook que tinha extraído leite em dias consecutivos. No entanto, no segundo dia o seu bebê se levantou resfriado, tinha grande quantidade de mucos e muita tosse. Quando comparou as duas bolsas de leite sua surpresa foi maiúscula. A extraída no segundo dia era mais densa e amarelada. Tinha uma cor parecida ao colostro, que é rico em leucócitos e altos níveis de imunoglobulinas e lactoferrina, ou seja, rico em anticorpos. 

Ela se lembrou de um artigo que tinha lido em 2013 numa revista científica intitulada ‘Infecções nas crianças estimulam uma resposta rápida de leucócitos graças ao leite materno’ que explicava que o leite materno protegia aos bebês contra as infecções. Ness momento, ela se deu conta de que o seu leite tinha se adaptado às necessidades do seu bebê para assim poder combater o catarro. Mallory publicou as imagens e a sua reflexão no Facebook e essas imagens já deram a volta ao mundo. 

O artigo que Mallory tinha lido se baseava no estudo que explicava como o colostro possui grande quantidade de anticorpos, e esses se reduzem na primeira e segunda semana após o nascimento mantendo níveis estáveis. No entanto, nos momentos em que a mamãe e o bebê se vêem infectados por algum vírus, o nível aumenta em 94%. Depois da infecção, os valores se restauram. Os resultados sugerem que o leite materno varia de acordo com as necessidades do bebê. 

Que o leite materno seja bom para o bebê é um fato inegável, tanto é assim que a mesma OMS recomenda a alimentação exclusiva com o leite materno até os seis meses e até os dois anos como alimentação complementar. Os pediatras e matronas já explicam às mamães: o leite materno não apenas contêm todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento do bebê, como também propriedades muito benéficas para o bebê, e é capaz de proteger ao bebê contra alergias, catarros, bronquiolite, pneumonia, diarréia ou asma.  

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com