O arriscado negócio do leite materno na internet

Vilma Medina

Vilma Medina

Você estaria disposta a vender leite materno pela internet? E comprá-lo? Como a gente pode reconhecer a procedência desse leite? E as condições em que ele chega às suas mãos? O negócio da compra e venda de leite materno pela internet prospera, mas poucos atendem as vozes de alerta: Cuidado, não é um negócio isento de riscos!

O leite materno deve se conservar refrigerado. Do contrário, pode transmitir doenças causadas por bactérias. Para doar leite, os hospitais exigem das mulheres alguns requisitos: não fumar, não beber, não se drogar. Quem controla esses requisitos na internet? 

Os riscos de comprar leite materno pela internet

o-arriscado-negócio-leite-materno-internet A

Diferentes estudos realizados em hospitais da Grã Bretanha e nos EUA, tem demonstrado que 90% do leite materno que se vende pela internet, estão contaminados com algum tipo de bactéria, e 10% estão adulterados com leite de vaca. Inclusive, em alguns casos, encontrou-se Salmonella. No entanto, o negócio cresce e cada vez se vende mais leite procedente de mães lactantes pela internet. A página de venda de leite materno mais conhecida dos EUA se chama Onlythebreast. Trata-se de um portal comunitário de mães que vendem, compram ou doam leite materno. Os preços oscilam entre um dólar e dois dólares e meio (30 ml). 

Os bancos de leite materno alertam sobre estas práticas entre particulares. A melhor opção, asseguram, é procurar um hospital, onde é possível encontrar um Banco de doação de leite materno. Ali podem ser garantidos todos os requisitos necessários de higiene e conservação do leite.  

Quem compra e vende leite materno pela rede 

O leite materno tem uma infinidade de benefícios. Contribuem com uma infinidade de nutrientes essenciais, proteínas, anticorpos (fatores imunológicos). Quem poderia querer consumir este leite? Desde fisiculturistas, que utilizam o leite materno como um suplemento dietético, até pessoas com problemas de dermatite atópica. Também doentes de câncer que utilizam este leite para tentar fortalecer seu sistema imunológico e diminuir os efeitos da quimioterapia. 

O leite procede de mães lactantes, que, na maioria dos casos, têm uma ‘superprodução’ e decidem doar ou vender esse excedente de leite materno. 

Um negócio livre. Um negócio não regulado, que implica em perigos e riscos para a saúde de quem compra o leite. Riscos que todas as pessoas que decidem comprá-lo, desprezam. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com

Como dar o peito ao bebê

Como dar o peito ao bebê

Quanto mais se esvazia o peito, mas leite produzirá. O principal estímulo que induz a produção de leite é a sucção do bebê, portanto, quanto mais o bebê se agarra ao peito da mãe, e quanto mais este o esvazia, mais leite se produz. A quantidade se ajusta ao que a criança toma e as vezes que o peito se esvazia durante o dia. A qualidade também varia com as necessidades do bebê.

A ocitocina durante o aleitamento materno

A ocitocina durante o aleitamento materno

A ocitocina é o hormônio mais famoso dentre os hormônios, e é conhecido como o hormônio do amor. E é assim porque é liberado com uma carícia, um beijo, um abraço, o sexo ou inclusive ao comer chocolate. Sua função é básica durante o aleitamento.

Os benefícios do leite materno para o bebê

Os benefícios do leite materno para o bebê

As vantagens do leite materno para o bebê. O leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido e para seus primeiros meses de vida, por causa do seu valor nutritivo.

O colostro. O primeiro leite materno para o bebê

O colostro. O primeiro leite materno para o bebê

O colostro é o melhor alimento para o bebê recém-nascido. Esse tipo de leite materno começa a ser produzido nas últimas semanas da gravidez, e será o primeiro alimento que o bebê vai tomar durante seus dois a cinco dias de vida.

Picolé de leite materno para bebês

Picolé de leite materno para bebês

Você faria um picolé de leite materno para o seu bebê? Pois, Karen Oliveira, uma mamãe brasileira, autora do blog Enquanto Elias dorme, o fez. No Brasil, como em muitos países no verão, faz muitíssimo calor e até os bebês sofrem, e muitas vezes perdem o apetite com isso.

0 comentarios