Como dar o peito ao bebê

Quanto mais se esvazia o peito, mas leite produzirá. 

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O principal estímulo que induz a produção de leite é a sucção do bebê, portanto, quanto mais o bebê se agarra ao peito da mãe, e quanto mais este o esvazia, mais leite se produz. A quantidade se ajusta ao que a criança toma e as vezes que o peito se esvazia durante o dia. A qualidade também varia com as necessidades do bebê.

Durante os primeiros dias, o leite é mais amarelado (colostro) e contém maior quantidade de proteínas e substâncias antiinfecciosas; posteriormente aparece o leite maduro. Seu aspecto pode parecer “aguado” sobretudo no princípio da amamentação já que é até o final da mesma quando vai aumentando sua quantidade de gordura. No entanto, não existe leite materno de baixa qualidade; este sempre é adequado e é tudo o quanto necessita.

Como amamentar ao bebê

Dar o peito ao bebê

É importante, sobretudo no princípio, que não se ofereçam à criança, chupetas nem mamadeiras. Uma chupeta não se “chupa” da mesma forma que no peito e o recém-nascido pode se confundir e posteriormente agarrar o peito com menos eficácia. Além disso, isto pode ser a causa de problemas tais como fissuras no bico do peito, mastites e falta de leite por longo período. Tão pouco é recomendável utilizar protetor de mamilo. As fissuras surgem porque a criança se agarra mal ao peito, assim que o importante é corrigir a postura (informe-se com seu pediatra, enfermeira de pediatria, ou especialista em lactância). O uso de protetores de mamilo corta a duração da lactância e além disso pode ser muito incômodo.

Quantidade de mamadas do bebê

O tempo que cada bebê necessita para completar uma amamentação é diferente para cada bebê e cada mãe também varia segundo a idade do bebê e de uma amamentação à outra. Além disso, a composição do leite não é igual do princípio ao final da amamentação, nem nos primeiros dias de vida ou quando o bebê tem 6 meses. O leite do princípio é mais aguado mas contém a maior parte das proteínas e açúcares; O leite do final é menos abundante mas tem mais calorias (a quantidade de gordura e vitaminas é maior). Tanto o número de amamentações que a criança realiza durante o dia, é muito variável e não há que estabelecer regras fixas. É melhor oferecer o peito de acordo com a “demanda”. Uma criança pode desejar mamar após 15 minutos de ter realizado uma mamada ou  demorar mais de 4 horas para pedir a segunda, ainda que no princípio, durante os primeiros 15 ou 20 dias de vida é conveniente tentar que a criança faça pelo menos 8 mamadas em 24 horas. Tão pouco é aconselhável que a mãe limite a duração de cada amamentação. O bebè é o único qua sabe quando está satisfeito e para ele é importante que haja tomado o leite do final da mamada. O ideal é que o bebê solte espontanemente do peito da mãe.

Algumas crianças obtêm o quanto necessitam de um só peito, e outros tomam de ambos. Neste último caso, é possível que a criança não esvazie completamente o último, porque a última mamada deve iniciar neste. O importante não é que a criança mame dos dois peitos sem que se esvazie completa e alternativamente cada um deles, para evitar que o acúmulo de leite possa ocasionar o desenvolvimento de uma mastite* e para que o corpo da mãe adeque a produção de leite às necessidades de seu filho. Para isso, recomenda-se deixar que a criança termine com um peito antes de oferecer o outro.

* A mastite é uma inflamação das glândulas da mama causada pelo acúmulo de leite e acontece com maior freqüência no pós-parto, principalmente na primeira gestação. A mastite pode ocorrer em uma mama ou nas duas e as características são mamas vermelhas, endurecidas, doloridas e quentes.