O zika vírus causa microcefalia em recém-nascidos

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O zika vírus não é novo. Ele foi descoberto em 1947 em Uganda quando se buscava controlar a febre amarela. Ele passou praticamente despercebido desde então, até que em 2007 se produziu um surto na ilha de Yab, ao norte da Austrália, onde 8.187 pessoas sofreram com a doença. 

Desde então, o número de casos tem aumentado e o vírus tem se estendido pelo mundo. Países como o Brasil, Estados Unidos, Chile, Colômbia, El Salvador, Guatemala, México, Suriname e Venezuela já têm doentes pelo zika vírus. Alguns dos maiores afetados são os recém-nascidos, já que o vírus causa más formações como a microcefalia. 

Microcefalia em bebês afetados pelo zika vírus

o-zika-vírus-causa-microcefalia-recém-nascidos A 

Existe um alerta sanitário, sobretudo nos países afetados, já que causa microcefalia em recém-nascidos, um transtorno neurológico pelo qual os bebês afetados nascem com a cabeça menor. À medida que a criança cresce, seu rosto continua crescendo, mas o crânio não e a criança fica com um rosto desproporcional com um rosto longo e a testa afundada. 

A microcefalia, nestes casos causados pelo zika vírus se desenvolve durante a gravidez e pode ainda se associar com algum grau de atraso mental e problemas na visão, ainda que em 15% dos casos a criança tem uma inteligência normal. Uma vez detectada, a microcefalia não tem cura e atualmente não é possível corrigi-la. 

A Organização Panamericana de Saúde tem alertado sobre um maior risco de aparecimento de microcefalia em bebês e más formações quando a doença atinge a mãe no primeiro trimestre de gravidez. 

O Brasil é um dos países onde mais tem aumentado o número de casos de microcefalia, e já são mais de 3.500 casos relacionados com o zika vírus entre outubro de 2015 e janeiro de 2016, por isso as autoridades alertam às mamães gestantes para que sejam extremadas nas medidas de precaução contra a picada do mosquito Aedes Aegypti, que é o transmissor não apenas do zika vírus, mas também da dengue e chikungunya. Medidas de precaução: usar repelentes, colocar telas nas portas e janelas, dormir com mosquiteiro e evitar o acúmulo de água parada em pneus, copos, garrafas, calhas e outros recipientes. A maior parte dos focos do mosquito está nos lares das pessoas. 

Perguntas e respostas sobre o zika vírus 

- Como o vírus é transmitido? Da mesma forma que a dengue ou a chikungunya, através da picada do mosquito fêmea ‘Aedes aegypti’, mas já houve casos com transmissão sexual. 

- O vírus é transmitido no aleitamento? Não se transmite ao amamentar o bebê. 

- Quais são os seus sintomas? Manchas vermelhas na pele, febre, dores musculares e articulares e cefaléias. Os sintomas desaparecem após sete dias, exceto as dores nas articulações que persistem por mais tempo. 

- Como se cura o zika vírus? Não existe vacina para curá-lo e o único tratamento até o momento é realizado através do uso de paracetamol para controlar as dores e a febre. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com