A crise do aleitamento das 6 semanas

Sintomas da crise de aleitamento que se produz um mês e meio do parto

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Das quatro possíveis crises de aleitamento que pode acontecer, a segunda chega por volta das 6 semanas. Isso é, um mês e meio depois do parto (aproximadamente). 

Esta crise do aleitamento chega com algumas características específicas. A gente te explica quais são os principais sintomas da crise de aleitamento das 6 semanas e o que você pode fazer para continuar com a amamentação de forma satisfatória. 

Sintomas da crise do aleitamento das 6 semanas

a-crise-do-aleitamento-das-6-semanas A 

A crise do aleitamento se produz quando o bebê de repente rejeita o peito, sem uma explicação aparente. A mamãe entende esse sinal como uma rejeição em relação ao seu leite, e em muitas ocasiões se assusta ao pensar que não esteja produzindo leite suficiente ou o seu leite não satisfaz o seu filho. Mas, isso é só um alarme falso. 

Uma dessas crises de aleitamento se dá por volta das 6 semanas (a primeira crise pode chegar às 3 semanas). Nessa fase, o leite muda de sabor. Isso altera para alguns bebês acostumados a outro sabor do leite materno

Essa alteração no sabor do leite gera em alguns casos o comportamento do bebê. Por isso, os principais sintomas da crise de aleitamento das 6 semanas são:

- O bebê se chateia, chora mais do que o habitual quando lhe oferece o peito. 

- Ao mamar, o bebê se agarra com força ao mamilo. Quando oferece o peito ele se mostra incômodo e vira a cabeça. 

Em qualquer desses casos, a mãe pode chegar a pensar que o bebê não consegue tirar leite suficiente, mas não é assim. Simplesmente a mamãe deve dar tempo para que ele se habitue ao novo sabor do leite. É uma crise passageira e terminará passando em poucos dias e não tem por que colocar o êxito do aleitamento materno em perigo.

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com