Quando o bebê não se decide a andar

Por que alguns bebês demoram em dar os seus primeiros passos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Todas as famílias têm o desejo de poder ver que o seu filho comece a dar os seus primeiros passinhos. Primeiro porque isso demonstra que está sadio, que suas pernas obedecem às ordens que o cérebro deve proporcionar; segundo, porque assim saberemos que começará a explorar o mundo do ponto de vista mais elevado, o que lhe proporcionará um modo de interagir mais intenso com todos os objetos e todas as pessoas que o rodeiam, sendo ele mesmo quem inicie essa maravilhosa etapa que lhe acompanhará por toda a sua vida. 

Por isso, muitos pais impacientes se perguntam... Por que o meu filho demora tanto em andar? Ele já não deveria estar andando? Na realidade, quando a gente deve se preocupar? 

Que fatores influenciam para que a criança ande

quando-o-bebê-não-se-decide-andar A

- Evolução do cérebro e aparelho psicomotor: A maioria dos pais quer que o seu filho comece a andar o quanto antes. O que acontece é que não estamos programados como outros seres vivos que, assim que nascem, sem a ajuda de ninguém, são capazes de se movimentar de um lugar a outro, mas o nosso complexo cérebro, diante da alta especialização que deverá assumir no futuro nos múltiplos âmbitos (linguístico, psíquico e motor, entre outros), deve esperar o momento adequado para iniciar as ordens que levamos escritas nos nossos genes. 

- Interação social: Além do mais, essas ordens não poderão ser executadas sem o apoio de outros membros da nossa mesma espécie. Ou seja, sem ninguém que nos ensine, se ninguém interaja com a gente e nos estimule a nos colocarmos em pé, a engatinhar, a caminhar, a gente ficaria sempre deitados com uma atrofia severa de todo o sistema locomotor. 

Com que idade uma criança começa a andar 

Todas as premissas anteriores condicionam uma grande variabilidade na hora de poder analisar a idade com que um bebê começa a caminhar. Dessa maneira, quando um bebê que é leve e um pouco inquieto recebe um estímulo adequado de todos ou quase todos os membros da família, é muito provável que comece a dar os primeiros passinhos muito antes do que outro bebê, também absolutamente normal, mas um pouco mais reflexivo e mais corpulento (a gravidade terrestre lhe atrai com mais força que o bebê leve) e que talvez receba menos estimulação motora, o que não significa que não a tenha em outro campo, como, por exemplo, o linguístico; o segundo bebê poderá estar falando pelos cotovelos com 16 – 18 meses, ainda que necessite das mãos protetoras dos seus cuidadores para caminhar sozinho, com o temor de se soltar, enquanto o primeiro bebê esteja com 10 – 12 meses driblando rivais ao estilo ‘Messi’, mas não consiga falar mais do que ‘aga, aga’, ‘caca’, ‘goto’, ‘mamá’, ‘dodói’ na idade em que o outro é capaz de nos perguntar pela existência dos buracos negros na galáxia Andrômeda. 

Por que alguns bebês demoram mais em andar 

- Porque não amadureceu o suficiente: O pediatra do seu bebê será o que, além de explorar nas diferentes revisões, o movimento, a força, a forma, a simetria, ou assimetria de ambas as perninhas, ele avaliará outros aspectos do desenvolvimento psicomotor que são importantes no desenvolvimento global da criança, e te ajudará saber se o fato de não caminhar sozinho, com uma idade em que teoricamente poderia estar fazendo, é motivo de estudo ou simplesmente tenha que esperar que esse aspecto amadureça, fixando o limite entre os 17 e os 18 meses. 

- Porque se desloca muito bem engatinhando: Alguns bebês demoram mais para caminhar simplesmente porque estão se dando muito bem engatinhando e recorrem ao ‘seu mundo’ dessa maneira; outros já caminham sem antes ter engatinhado. O importante, na realidade, é que em torno dos 12 meses o bebê se desloque com autonomia: se arrastando como uma serpente, engatinhando (existem ‘vários estilos’) ou caminhando, ainda que seja se agarrando em qualquer móvel que tenha ao seu alcance. 

- Porque ainda não aprendeu a se colocar em pé: Para começar a caminhar, primeiro tem que ter aprendido a se colocar em pé por eles mesmos, tendo as costas erguidas e as pernas já firmes. Não podemos pedir perfeição ao caminhar nessa primeira etapa porque a quantidade de músculos e estruturas que intervêm num deslocamento seguro e equilibrado é enorme. Por isso, é frequente que nos primeiros meses em que começa a caminhar, a criança abra um pezinho mais do que outro, ou amplie a base de sustentação separando ambos os pés para ter mais equilíbrio. Correr com destreza e com segurança, e parar de se apoiar em algum lugar pode demorar até os 20 meses de idade, aproximadamente. 

Carlos Casabona

Pediatra