5 erros dos pais ao falar de sexo com os filhos

O que não devemos fazer ao falar de sexo com os filhos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Os pais têm um papel muito importante na educação sexual dos filhos. Transmitir às crianças temor, medo ou vergonha nos assuntos relacionados com a sexualidade só conseguirá com que adquiram complexos. 

A gente te conta quais são os erros mais comuns que os pais cometem na hora de falar de sexo com os filhos para que a gente possa evitar e transmitir-lhes assim uma forma responsável e segura de viver sua sexualidade. 

Atitudes que os pais devem evitar ao falar de sexo com os filhos

5-erros-dos-pais-ao-falar-de-sexo-filhos A 

Ensinar-lhes temas de sexualidade é algo mais do que falar-lhes de como funciona o aparelho reprodutor. Criar um clima de confiança onde a criança se sinta segura para expor suas dúvidas e encontrar respostas é a melhor forma para que tenham uma educação sexual sadia. Estes são os erros que temos que evitar no processo: 

1. Pensar que é necessário ser um sexólogo: Para falar de sexo com os filhos não temos que ser especialistas em sexologia. É um tema que faz parte da nossa vida, da mesma forma que falamos de educação, de brincadeiras ou de saúde. Todo mundo é capaz de fazê-lo e de conseguir um diálogo simples e correto diante dos filhos. 

2. Ver com os olhos de adulto a sexualidade infantil: Não tem nada a ver a sexualidade na infância e na vida adulta.  Os significados são diferentes. As crianças têm desejos e emoções, mas não têm as sensações eróticas que pode ter uma pessoa mais velha. Por exemplo, se a criança ou o bebê tem uma ereção, não se pode interpretar como uma excitação, mas como uma resposta física automática. 

3. Dar informação errônea às crianças: é um erro distorcer a realidade falando de cegonhas que trazem bebês ou histórias semelhantes para evitar falar de sexualidade. Não é necessário contar tudo. Há que esperar que a criança esteja preparada para fazer-lhe entender, mas se adaptar à idade não significa mentir, mas dar informações de forma gradual. 

4. Repreendê-lo diante de certas condutas: se pegarmos a criança tocando os genitais, não devemos repreendê-la ou castigá-la, já que considerará que está fazendo algo ruim e sujo, mas devemos orientá-la e ensiná-la que são atos que devem ser feitos em particular. 

5. Não falar de sexo: evitar os temas sexuais ou se negar a dar informação é uma forma de conseguir que as crianças vivam o sexo como algo proibido e tenham uma percepção errada do mesmo.

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com