15 métodos contraceptivos

Todos os métodos contraceptivos masculinos e femininos

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Formar uma família é uma responsabilidade e devemos estar conscientes de tudo o que acarreta. Para que a maternidade seja algo escolhido e não obrigado, nós temos à nossa disposição uma infinidade de métodos contraceptivos com os quais poderemos planejar a melhor época de ter um filho. A gente apresenta 15 métodos contraceptivos para que escolha o que melhor se adapte a você. 

Os métodos contraceptivos mais comuns

15-métodos-contraceptivos A

Alguns contraceptivos são mais confiáveis do que outros. Alguns são mais naturais que outros e todos respondem à necessidade de planejarmos quando estamos prontas para a maternidade, quando queremos aumentar a família, ou quando decidirmos parar. Elaboramos uma lista com os métodos contraceptivos mais frequentes.

1. Preservativo masculino. É, sem dúvida, o método contraceptivo mais aconselhável, porque além de evitar a gravidez, previne o contágio de doenças transmitidas por relações sexuais.

2. Pílula. A efetividade contraceptiva da pílula é de 99%. Os contrários a este método contraceptivo hormonal defendem como razões para não tomá-la, os seus possíveis efeitos colaterais e a possibilidade de que a mulher se esqueça de tomá-la.

3. Minipílula. A diferença da pílula é que não contém estrógeno, somente o progestógeno, por isso também é recomendada durante o período de aleitamento, já que tão pouco afeta a qualidade do leite materno. 

4. DIU. Este dispositivo intra-uterino é um dos métodos contraceptivos mais eficazes e com menos efeitos colaterais. Deve ser colocado por um ginecologista, e não se pode utilizá-lo alguns meses após o parto. 

5. Diafragma. É um dispositivo de silicone que é inserido na vagina e deve ser acompanhado de espermicidas. A mulher encaixa na cavidade uterina até seis horas antes da relação sexual e deve manter inserido até 8 horas depois da relação sexual para que sua eficácia esteja assegurada. 

6. Injeção contraceptiva. A eficácia das injeções contraceptivas é alta e tem uma duração de três meses. Por ser um contraceptivo hormonal, não é adequado para todas as mulheres, assim que o ginecologista deve ser consultado.

7. Adesivos contraceptivos. É também hormonal, mas o seu uso é mais cômodo do que a pílula. Coloca-se facilmente na pele uma vez por semana durante 3 semanas e descansa uma, na semana que a menstruação chega.

8. Preservativo feminino. Com uma alta eficácia contraceptiva, o preservativo feminino também previne de doenças transmitidas por relações sexuais. No entanto, o seu uso não é muito difundido.

9. Esponja contraceptiva. É uma espécie de almofada de poliuretano de formato circular com espermicidas que é introduzida na vagina na altura do colo do útero. Tem alta eficácia e é efetiva durante 24 horas. 

10. Capuz cervical. Parecido ao diafragma, é um dispositivo que se coloca no colo do útero e que se destaca pela sua comodidade, pois pode ser colocado 24 horas antes de ter relações sexuais.

11. Dias férteis. Os métodos contraceptivos chamados naturais são os que têm menos eficácia e tão pouco previne das doenças sexualmente transmissíveis. Existem vários métodos como o muco cervical ou a temperatura basal, mas todos se baseiam no ciclo de ovulação.

12. Coito interrompido. Também é um dos métodos chamados naturais e é um dos mais populares, mas também dos mais ineficazes na hora de evitar gravidezes e prevenir doenças.

13. Ligadura de trompas (Laqueadura). Este método contraceptivo é permanente, por isso se recomenda às mulheres que já tenham tido muitos filhos. Trata-se de uma cirurgia simples em que se ligam as Trompas de Falópio e não tem efeitos colaterais sobre a saúde. 

14. Vasectomia. É a versão masculina da ligadura das trompas e também é permanente. Neste caso se ligam os dutos que transportam os espermatozóides para evitar a gravidez.

15. Anel contraceptivo. Este método contraceptivo é hormonal e consistem em introduzir um anel flexível na vagina durante 3 semanas. O funcionamento contraceptivo é similar à da pílula e sua eficácia também é muito alta.

Laura Vélez

Redatora de Guiainfantil.com