A clamídia compromete a fertilidade masculina e feminina

Clamídia e infertilidade em homens e mulheres

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A AIDS, a sífilis e o herpes são as doenças sexualmente transmissíveis mais conhecidas, mas o aumento do contágio da clamídia está se convertendo num alerta em alguns países como o Reino Unido onde aumentaram em 200% dos casos. 

A clamídia é uma doença de transmissão sexual que está reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como a principal causa de infertilidade que pode ser prevenida. 

O que é a clamídia

a-clamídia-compromete-a-fertilidade A 

A infecção é causada pela bactéria ‘Chlamydia trachomatis’, três vezes mais comum em mulheres do que em homens. Quando não é tratada pode infectar as células do colo cervical, estender-se até os ovários, as trompas de Falópio ou o útero causando doença inflamatória pélvica e infertilidade

Sintomas da clamídia 

É uma doença que não é diagnosticada em muitos casos, já que pode ser confundida com uma infecção do trato urinário. Em muitos casos os sintomas passam despercebidos tanto em homens como em mulheres. 

No caso de apresentar sintomas, eles podem ser: dor abdominal, febre, leve sangramento, fluxo vaginal anormal, dor ao urinar, maior necessidade de urinar, dor nas relações sexuais. Nos homens pode haver inchaço ao redor do ânus e maior sensibilidade nos testículos. Para detectar a clamídia é necessário realizar um cultivo. 

Tratamento para a clamídia 

Pode se tratar com antibióticos e é muito importante respeitar o tempo da tomada de medicamentos, inclusive se os sintomas desaparecerem e que o casal também receba o tratamento junto. 

A única maneira de prevenir a infecção é utilizar preservativos. 

Consequências da clamídia 

Se a infecção não for detectada e não for tratada pode provocar infertilidade, tanto no homem como na mulher. Nos genitais internos se formam uma espécie de tumores que causam inflamação e os óvulos não podem chegar ao útero, e inclusive as trompas podem ser obstruídas. 

Essa doença inflamatória pode causar uma dor crônica e aumentar o risco de gravidez extrauterina no caso de engravidar. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com