Riscos dos flutuadores e bóias de braços para as crianças

Segurança na água durante a infância

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Todos os anos milhares de crianças morrem afogadas em todo o mundo e na maioria das vezes são acidentes que poderiam ser evitados. No entanto, às vezes temos dúvidas sobre o que utilizar para ajudar o nosso filho a se sentir mais seguro na água. É melhor o flutuador ou bóia de braços? É seguro o colete salva-vidas inflável? 

Ensine o seu filho a nadar como medida de segurança

riscos-dos-flutuadores-e-boias A 

O afogamento é a terceira causa de acidente mortal no mundo, sendo as crianças os mais vulneráveis. O perigo aumenta nas férias e principalmente no verão. É quando os pais têm que extremar os cuidados. Mas, às vezes surgem dúvidas sobre o sistema mais eficaz para evitar que o nosso filho se afogue. 

O melhor seria ensinar a criança a nadar o quanto antes. O pelo menos se manter flutuando. Nunca é cedo demais. Lembre-se que a água tem muitos benefícios para o bebê e pode ser um excelente momento para que tenha um primeiro contato e perca o medo da água. A idade recomendada para iniciar num curso de natação é entre 1 e 4 anos. De fato, existem muitas crianças que aprendem a nadar antes mesmo de andar. Mas, se não for possível, pelo menos devemos optar em vigiar a criança e nos assegurarmos de que tenham um sistema de segurança adequado à sua idade. 

Os flutuadores e as bóias de braços para crianças 

Bóias de braço, flutuadores, bóias... Temos muitas opções e com frequência temos dúvidas na hora de escolher a melhor. Cada um tem umas características, com seus prós e contras: 

- As bóias de braço são muito fáceis de usar, mas têm que estar corretamente cheias e na altura do braço adequadamente, justamente embaixo do ombro. Assim você evitará que elas saiam. Tem o inconveniente de não permitir que a criança faça movimentos com os braços. Por isso são recomendadas para ensinar a criança a nadar

- Existem flutuadores clássicos com umas correias de proteção. Em todo o caso apresenta um problema: os pais confiam muito na sua segurança e diminuem a vigilância. Isso é um erro. As crianças podem virar e ficar de boca para baixo em questão de segundos. Se um flutuador for escolhido como meio de segurança na água, este deve ser do tamanho adequado segundo a idade e envergadura da criança e, sobretudo deve estar sempre acompanhado de um adulto. 

- Os coletes salva-vidas oferecem uma maior liberdade de movimentos e deixam os braços da criança livres. Eles nos asseguram uma boa flutuação, mas temos que levar em conta o tamanho da criança na hora de comprá-lo. 

- Os churros aquáticos (‘espaguete flutuador’) são excelentes se a criança já sabe flutuar na água. É o aliado perfeito para aprender a nadar, mas sempre e quando a criança já se movimente com tranquilidade. 

Os flutuadores com formas divertidas para crianças 

Flutuadores em forma de animais ou personagens de desenhos animados conseguem captar todo ano a atenção de milhões de crianças. Também lanchas infláveis e outros objetos de flutuação de cores atrativas. No entanto, não se deve baixar a guarda. Em nenhum caso se podem deixar as crianças sozinhas com esse tipo de objeto e muito menos que vão com eles em lugares que não consigam ficar em pé. Tão pouco é recomendável que se lancem da borda sobre eles

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com