O que é o afogamento secundário em crianças

Sintomas de afogamento secundário em bebês e crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O afogamento secundário é uma doença pouco frequente, e por essa mesma razão, pouco conhecida, mas conhecer sua existência pode fazer com que vidas sejam salvas. Devemos, portanto, tentar fazê-lo conhecido e comunicar pais e responsáveis como agir. Aprenda a detectar os sintomas de um afogamento secundário a tempo. É importante agir de forma rápida.  

Sintomas de afogamento secundário em crianças

o-que-é-o-afogamento-secundário A

O termo ‘afogamento secundário’ é utilizado para definir uma situação que pode ocorrer após um ‘quase afogamento’. Ou seja, uma criança cai na piscina ou no mar, geralmente após ficar inconsciente entra água nos seus pulmões; a criança pode responder bem às manobras de reanimação cardiopulmonar (RCP) e sair ilesa, como é a criança em condições normais (‘quase afogamento’). 

Mas, depois de um tempo, que pode durar de uma hora até 48 ou 72 horas, a função pulmonar se deteriora e a criança começa a mostrar sintomas como: 

- Dificuldade para respirar.

- Tosse intensa.

- Cansaço extremo.

- Comportamentos estranhos, sinal de uma atividade cerebral anormal (dificuldade para pronunciar palavras, perda de memória, falta de atenção).

Isso ocorre porque a água que entrou até o fundo dos pulmões, ou seja, os alvéolos; produz uma irritação anormal e provoca a perda de surfactante (que ajuda com que os alvéolos se mantenham abertos, como bolhas de sabão). Pode ocorrer depois de um ‘quase afogamento’ na água doce ou salgada.

Por isso, depois de um episódio desse tipo, os pais devem levar a criança ao hospital, já que deve permanecer algumas horas em observação. Se a criança tenha sido reanimada ou tenha apenas engolido água, ela deverá ser avaliada por um médico e reavaliada após umas horas. 

Malena Hawkins

Pediatra