A alergia a medicamentos nas crianças

Alergias infantis aos medicamentos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As reações alérgicas acontecem quando nosso organismo reconhece uma substância que se denomina alérgeno, como ruim para a saúde. Esse contato provoca uma resposta exagerada que aparece em diversas áreas do corpo.  

É frequente que o alérgeno seja um tipo de remédio usado para curar uma doença ou aliviar uma enfermidade. Entre 5% e 10% das reações adversas a remédios são alérgicas, o que significa que o sistema de defesa do paciente reage de forma exagerada diante de certos medicamentos. 

As reações alérgicas a remédicos acontecem porque o corpo da criança ou do adulto reage contra a medicação que tomou. Nunca se produz uma alergia na primeira vez que a criança toma um medicamento. Em geral é necessário tomar algumas doses do remédio para dar lugar à reação. 

Sintomas das alergias aos remédios

As reações alérgicas aos remédios apresentam vários sintomas, sendo os mais frequentes a urticária, que aparece em pouco tempo da alergia ser manifestada. O aparecimento de brotoejas e febre também pode acontecer. 

Os sintomas mais graves podem dar lugar a ataques de anafilaxia ou reações na pele preocupantes. Além disso, a criança ou o adulto pode apresentar vômitos, diarreia e dificuldades respiratórias

Diagnóstico e tratamento das alergias

Para fazer um estudo da alergia a medicamentos os sintomas que apareceram após tomar o medicamento devem ser analisados, assim como a composição do medicamento, para que ele foi administrado, quanto tempo demorou para aparecerem os sintomas, quanto tempo duraram e se desapareceram por si sós ou se necessitarão de tratamento. 

Se a reação foi grave e se conhece o medicamento responsável, o diagnóstico se realiza sem fazer exames, somente pelo exame clínico. Mas se a reação não foi muito grave ou se foram consumidos vários medicamentos, deve-se realizar um estudo alergológico e os exames de alergia habituais. 

As reações alérgicas a remédios não têm um tratamento específico. O único tratamento possível, uma vez diagnosticada, é evitar que a criança tome o medicamento em questão e os remédios da sua mesma família. Também pode se recorrer à dessensibilização, que consiste na administração de um remédio a um paciente que é alérgico.  

Patricia García

Redatora de Guiainfantil.com