A insônia em bebês e crianças

Como resolver esse transtorno do sono infantil

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Os problemas para dormir são muito comuns durante os primeiros anos de idade das crianças. Certos problemas para dormir são mais comuns em algumas etapas de desenvolvimento e podem ser o resultado de novos acontecimentos e mudanças na rotina diária. 

A menos que os problemas para dormir persistam ou interrompam com as atividades diurnas da criança, a comodidade e o calor paternal podem ser tudo o que seja necessário. 

A insônia infantil é um transtorno 

A insônia infantil é um transtorno que se caracteriza por: 

- Dificuldade para dormir sozinho 

- O despertar noturno frequente e a impossibilidade de voltar a dormir sem a ajuda dos pais 

- Os sonos muito superficiais 

- Dormir menos horas de sono que as necessárias para a sua idade 

Principais causas da falta de sono das crianças 

- Maus hábitos do sono. 70% dos bebês começam a dormir mais de quatro horas seguidas a partir do terceiro mês de vida e 83% dormem oito horas ao cumprirem 5 ou 6 meses. Somente 10% das crianças com um ano de idade ainda não dorme a noite inteira. Nesses casos, as crianças devem ser reeducadas e estimuladas a dormirem corretamente. 

- Alteração da rotina do bebê. Pode ser provocada pela mudança de casa, pelo nascimento de um irmãozinho, ou uma viagem. Nos bebês muito ativos, qualquer nova situação como aprender a caminhar ou engatinhar lhe causará excitação e não conseguirá dormir direito. Os bebês são sensíveis e perceptivos e a falta de sono é o primeiro sintoma de que alguma coisa diferente está acontecendo. 

Consequências da insônia infantil 

Uma criança que se desperta com frequência durante a noite e conta muito com a presença de sua mãe para fazê-lo dormir novamente, já estão se acostumando com um mau hábito para dormir. Levando em conta que essa situação se repete noite após noite, semana após semana, mês a mês, ano após ano, não se pode ignorar que pode desestabilizar a harmonia conjugal, e, portanto, a familiar

Quando isso acontece, os pais recorrem às técnicas mais lógicas. Permitir que a criança só durma na companhia dos pais, significa que, à medida que vá crescendo, ela vai exigindo novas demandas. A partir desse momento, pode aparecer nos pais uma sensação de frustração, de culpa, de irritação e inclusive de rejeição pela criança por ter estabelecido sua rotina de sono de uma forma pouco apropriada. Quanto às crianças, com essa atitude se mostram mais irritados, ansiosos, inseguros e com grande dependência diante da pessoa que o cuida.