Segunda gravidez. Quando é o melhor momento?

Qual é o momento ideal para a mulher buscar uma segunda gravidez

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A idade biológica da mulher na sociedade atual pode marcar o momento certo da segunda gravidez. Devido à incorporação da mulher no mercado de trabalho, a maternidade se atrasa, e é comum ter o primeiro filho depois dos trinta anos

Quando se trata de um primeiro filho de uma mãe maior de 35 anos, a tendência é que ele se torne filho único, ou que aconteçam gravidezes rápidas para aproveitar os anos férteis.

Dados recentes, feitos pelo IBGE, revelam que menos adolescentes de 15 a 19 anos estão tendo filhos no Brasil, em especial nas regiões Sudeste e Sul. A proporção de registros de nascimentos de mães dessa faixa etária caiu de 20,9% no ano de 2000, para 17,7% em 2011, ainda longe do ideal.

O relógio biológico na segunda gravidez

A hora ideal para uma segunda gravidez

Na maioria dos casos, o segundo bebê chega por volta dos 35 anos, momento em que a taxa de infertilidade faz com que as possibilidades de ter uma nova gravidez diminuam notavelmente e se situem em 8%. 

A partir dos 38 anos, essa porcentagem baixa até os 3%. No entanto, a idade da mulher influencia não somente na hora de engravidar, mas também nas complicações que uma gravidez pode ocasionar em determinadas idades. O estado físico de um corpo, que já tenha passado anteriormente por uma gravidez e um parto, é uma questão importante para avaliar, já que uma segunda gravidez não pode ser encarada nas mesmas condições físicas que a primeira. 

A idade materna e a nova gravidez 

Além da idade biológica e do estado físico, deve-se levar em conta a energia que é necessária para cuidar de crianças com idades diferentes. Pensar no futuro, nas forças necessárias para cuidar da alimentação, da educação e proporcionar o bem estar necessário às crianças para seu correto desenvolvimento é a chave para enfrentar uma segunda gravidez. Em geral, as energias não são as mesmas aos 40 que aos 50. Por outro lado, o pai também é “de primeira viagem” e os medos e as dúvidas vividos com o primeiro filho ficaram para trás. Sua experiência no cuidado com o primeiro bebê será muito valiosa nessa nova etapa que começa. 

Outro irmãozinho para seu filho 

Preparar o primogênito para a chegada do seu novo irmão é fundamental para conseguir sua estabilidade emocional. Essa estabilidade vai ser muito benéfica para a família e vai contribuir positivamente no desenvolvimento do dia a dia. O papel do pai na dinâmica familiar, sua participação e sua ajuda e motivação vão tornar a chegada do segundo filho num acontecimento muito especial. Sua integração natural e espontânea no seio familiar evitará ciúmes do primogênito e incentivará uma boa relação entre os dois irmãos desde o início. Os ciúmes do irmão mais velho pode se tornar num problema de convivência  e os pais devem usar todos os meios para que a criança curta a chegada de um irmãozinho como uma experiência enriquecedora e não como uma perda de privilégios. 

O desafio de aumentar a família 

Após o parto, o trabalho se multiplica por dois. Os pais agora têm que cuidar de dois filhos, e em função da diferença de idade entre eles, notarão que o tempo disponível para seus cuidados pessoais e dedicação se reduz significativamente. Um segundo filho implica também num reajuste da economia familiar. As fraldas, as refeições, as roupas, a decoração do quarto e mais adiante a escola infantil. Tudo se traduz em dinheiro e gastos. A chegada de um novo membro na família representa um bom desembolso econômico. Mas com muito trabalho em equipe e tempo para se adaptar às novas exigências familiares, a recompensa será muito grande. 

Marisol Nuevo