O cólon irritável em crianças

O que é e como se trata esta doença do cólon em crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O cólon irritável, também chamado ‘Síndrome do intestino irritável’, é uma doença que também afeta as crianças. Caracteriza-se pela existência de dor abdominal e/ou mudanças no ritmo intestinal (diarréia ou prisão de ventre). Pode haver distensão abdominal. 

É um transtorno crônico com recorrências. Isso significa que a criança passará por períodos com sintomas, mas também por fases sem nenhum incômodo.

Causas e sintomas do cólon irritável nas crianças

o-cólon-irritável-em-crianças A

A causa exata do cólon irritável é desconhecida. O mecanismo responsável é um transtorno dos movimentos intestinais. É mais frequente em crianças ‘nervosas’ e também em crianças muito responsáveis, com alto rendimento escolar e grande auto-exigência. 

Os sintomas mais frequentes de cólon irritável são: 

- Dor abdominal

- Mudança no ritmo intestinal 

- Distensão abdominal (inchaço)

A dor pode ser difusa, como uma cólica (aparece, e vai se tornando mais intensa e depois desaparece), dura menos de 1-2  horas, respeita o sono e se alivia com a defecação ou com a emissão de gases. Pode haver diarréia, prisão de ventre, ou alternância entre prisão de ventre e diarréia. Também pode ter um ritmo intestinal normal. A distensão abdominal pode ser maior pela tarde e pode ser acompanhada de saciedade precoce. 

Diagnóstico e tratamento do cólon irritável infantil 

Seu diagnóstico é clínico, se bem que convém descartar a existência de algum problema orgânico. Por este motivo, o seu pediatra lhe solicitará um estudo básico: análise de sangue, urina, fezes e ecografia abdominal. 

É fundamental explicar adequadamente em que consiste o problema, e incluir uma série de normas dietéticas (aumentar ligeiramente o consumo de fibras, evitar as comidas abundantes, retirar as bebidas gasosas) e comportamentais (treinamento em relaxamento, realização de exercícios físicos). 

Nos últimos anos alguns especialistas estão empregando alguns probióticos (bactérias terapêuticas em determinadas concentrações) que tem demonstrado melhorar a qualidade de vida desses pacientes. 

Iván Carabaño Aguado

Chefe do Serviço de Pediatria 

Hospital Universitário Rey Juan Carlos

Hospital General de Villalba