A prisão de ventre infantil. As fezes do seu bebê

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A observação das fraldas do bebê é muito útil. Dessa observação, além do cheiro nada agradável fornece muita informação aos pais. Desde a primeira visita do seu bebê ao pediatra pode ser habitual que ele pergunte com que frequência a criança molha as fraldas e a de quanto em quanto tempo ele faz cocô e qual o aspecto deste.

O porquê dessas perguntas é para indagar sobre a alimentação do nosso bebê: a quantidade e o tipo de alimento, a assimilação. Para o médico é muito útil saber o que acontece no último trecho do aparelho digestivo. As fezes são o reflexo de que o organismo do seu filho funciona bem e podem ser classificadas de muitas maneiras: pastosas, viscosas, sanguinolentas, com mucosidade, duras ou muito moles... Levá-las em consideração nos dá uma informação crucial para detectar alguma doença, especialmente se as anomalias nas fezes são de repetição. 

As fezes ou deposições do bebê

a-prisão-de-ventre-infantil-fezes-bebês A

As doenças mais comuns são a diarréia ou a prisão de ventre. Em muitas ocasiões essas alterações, especialmente as diarréias, podem ter origem viral e podem ser motivo inevitável de consulta médica. A prisão de ventre, por outro lado, quase não requer uma consulta urgente, mas em alguns bebês e crianças pode se converter em um problema crônico que lhes causará muita angústia e dor. Quando as fezes da criança estão muito duras, isso pode irritar ou inclusive lesionar o canal, o que pode levá-lo a evitar as deposições. 

Ainda me lembro o que pode ter passado o meu pequeno num episódio de prisão de ventre em que chorava como nunca eu o tinha visto chorar. Era um choro com suor pelo esforço como se tratasse de dores de parto; assim que o levei ao ambulatório e a enfermeira com um dedo protegido por luva e um pouco de vaselina conseguiu retirar o enorme bolo fecal que estava bloqueando o esfíncter; graças a essa manobra meu bebê pôde voltar à normalidade. A causa principal da prisão de ventre se deve à alimentação, sobretudo quando se inicia a alimentação sólida e se diminui a ingestão de leite ou outros líquidos.

O mais conveniente para evitar a prisão de ventre são dietas ricas em fibra e em abundante líquido, mas se os problemas de defecação persistirem será necessário um diagnóstico para descartar possíveis, ainda que remotas, causas fisiológicas como o estreitamento do intestino. A prisão de ventre ocasional, ainda não seja motivo de urgência, pode derivar em problemas colaterais, assim que o melhor para evitá-lo é vigiar as fezes, controlar a dieta dos bebês e, consultar o pediatra para detectar todas as possíveis anomalias. 

Patro Gabaldón

Redatora de Guiainfantil.com