#FimAoMaltrato: Vamos deter o maltrato infantil

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A UNICEF lançou uma campanha digital com o título #FimAoMaltrato (#ENDViolence): Vamos deter o maltrato infantil. Não é preciso muita explicação para saber que se trata de conscientizar a população para erradicar a violência contra as crianças e mudar a forma de pensar de muitos pais que acreditam que bater no seu filho faz parte da sua educação. 

Esta campanha se apresenta acompanhada de uma série de vídeos que foram gravados em lugares públicos de Buenos Aires, Assunção, Santiago e Montevidéu, em que estátuas humanas imitam situações nas quais os adultos maltratam as crianças: seja com gritos, castigos ou violência física.

Campanha da UNICEF para erradicar a violência contra as crianças

fim-ao-maltrato-infantil A

Os escritórios da UNICEF na Argentina, Uruguai e Paraguai estão especialmente preocupados com o maltrato infantil em toda a América Latina. No Chile, 71% das crianças afirmam que recebem algum tipo de violência por parte dos seus pais e 25,9% delas manifesta que se trata de violência física grave. No Chile ainda não existe nenhuma lei que proíba o maltrato infantil, tão pouco no Paraguai. Na Argentina entrará em vigor em agosto de 2015 e no Uruguai se aprovou em 2007, ainda que a violência física e psicológica continue arraigada na conduta dos pais. 

No Brasil, a Lei da Palmada (ou Lei Menino Bernardo) entrou em vigor no dia 27/04/2014 e diz: ‘Os pais, os integrantes da família ampliada, os responsáveis, os agentes públicos executores de medidas socioeducativas ou qualquer pessoa encarregada de cuidar de crianças e de adolescentes, tratá-los, educá-los ou protegê-los que utilizarem castigo físico ou tratamento cruel ou degradante como formas de correção, disciplina, educação ou qualquer outro pretexto estarão sujeitos, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, às seguintes medidas, que serão aplicadas de acordo com a gravidade do caso’.

A violência contra uma criança pode ser de muitos tipos. As mais comuns são: 

- Psicológica: os pais castigam, gritam, insultam ou importunam os seus filhos.

- Física leve: puxam as orelhas, os cabelos, fustigam com varas, empurram e dão ‘bolos’. 

- Física grave: Dão murro com o punho cerrado, mordem, dão chutes, queimam ou ameaçam com armas.

Muitas pessoas hoje em dia pensam que dar um sopapo numa criança em determinado momento não faz mal algum. Pensam que certas medidas físicas servem para educar a criança para que aprenda que esse comportamento não é adequado. É curioso como muitos desses pais se desculpam dizendo que eles mesmos apanharam quando eram pequenos e que isso não criou nenhum trauma neles e cresceram felizes. Mas, será que isso não teve resultados na sua forma de ser? Toda experiência forja o caráter de uma pessoa. Receber bofetões também.

Nesse assunto existem muitos argumentos a favor e contra o castigo físico na criança, mas que alguns encontrem argumentos a favor do maltrato infantil me parece loucura. Eu gostaria de ver essas pessoas recebendo um tapa quando erram no seu trabalho, quando são injustos com seus irmãos, quando mentem a algum amigo ou quando lançaram sem querer um objeto no chão de um estabelecimento.  

Alba Caraballo

Editora de Guiainfantil.com