Maltrato infantil. Como saber quando a criança está sendo maltratada

Tipos e formas para detectar o maltrato de crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Antes de qualquer coisa, é importante esclarecer o que se entende por maltrato infantil. Em resumo, seria toda ação (seja física, emocional ou sexual) ou omissão, que os pais ou cuidadores, de maneira intencionada, exercem sobre a criança e provocam nela um dano físico ou psicológico.

Tipos de maltrato na infância

Tipos de maltrato com as crianças

Existem vários tipos de maltrato infantil: 

- Desatenção física e/ou emocional no cuidado dos pequenos: privá-los da alimentação, de boas condições higiênico-sanitárias, de tratamentos médicos necessários, crianças não escolarizadas ou com alta taxa de abandono escolar, permitir-lhes o consumo de álcool ou drogas, indiferença diante dos seus estados de ânimo, serem ignorados, etc. 

- Maltrato físico: administrar às crianças substâncias nocivas, amarrá-las, prenderem, espancá-las, queimá-las, aplicar castigos severos, etc.

- Maltrato emocional: maltrato verbal, crianças tratadas de maneira inapropriada, ameaçadas, manipuladas, etc. 

- Abuso sexual: tocar a criança e obrigá-la a realizar toques sexuais, filmar durante atos sexuais, etc. 

Podemos encontrar diferentes indicadores físicos, comportamentais, emocionais ou do tipo sexual na criança, que podem nos ajudar a identificar uma situação de maltrato infantil. Se bem que, esses sinais de suspeita devem ser avaliados de forma global e não se deve estabelecer uma relação direta entre um só sintoma e o maltrato infantil. 

Como podemos detectar que a criança sofre maltrato 

Existem vários tipos de indicadores: 

- Indicadores físicos: dor corporal, machucados, feridas de diversos tamanhos, queimaduras ou feridas em algum local do corpo, dificuldades para andar ou se sentar, mordidas humanas, cortes ou furos, fraturas no nariz, etc. 

- Indicadores comportamentais: perda de apetite, transtornos do sono, hiperatividade, regressão de comportamentos, tendência à retração, agressividade, problemas escolares, choro, resistência a tirar a roupa ou em tomar banho, isolamento social, enurese, etc. 

- Indicadores emocionais: tristeza, irritabilidade, medo, ódio, sentimentos de culpa, impotência, vergonha, frustração, etc.

- Indicadores na esfera sexual: condutas precoces ou conhecimentos sexuais inadequados para a sua idade, rejeição a carícias, de beijos e do contato físico, etc. 

É conveniente saber que, ainda que não seja normal, mas podem existir crianças assintomáticas, ou seja, crianças que aparentemente não mostram sinais evidentes de maltrato e que mesmo assim estejam sendo submetidas a uma situação de abusos

Gemma Del Val Peralta
Psicóloga
Centro de Psicologia Álava Reyes