O que fazer quando o bebê diz NÃO a tudo?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

'Você quer que a gente vá ao parque?’... NÃO! ‘Vamos colocar a roupa’... NÃO! ‘Vamos brincar de montar construções?’... NÃO! Não importa o que venhamos a perguntar à criança, a resposta sempre será um enorme e sonoro NÃO. 

A este tipo de negações é o que podemos chamar ‘a fase do não’. Não é algo muito raro, mas muito comum. Além disso, você está de parabéns, porque o seu filho já deu um grande passo evolutivo, e começa a ser independente e auto-suficiente

Meu filho diz NÃO a tudo, o que faço?

o-que-fazer-quando-bebê-diz-não-a-tudo A

Meus filhos não passaram a etapa do não que tenha sido muito desesperadora, nada muito além do normal, no entanto, minha sobrinha teve uma fase muito intensa, tanto que já dava medo de perguntar a ela alguma coisa porque parecia estar chateada com o mundo e querer briga a todo momento. Felizmente foi apenas uma fase. 

Quando a criança diz ‘NÃO’ na verdade está fazendo isso para fortalecer sua individualidade. Pode começar por volta dos 15 meses de vida. É então quando as crianças começam a experimentar, a provocar situações para ver o que acontece, a colocar a prova o papai e a mamãe. Não se trata de fazer o contrário por diversão. É simplesmente uma forma de aprendizagem.

Não estamos perdendo autoridade, mas sim podemos controlar essas situações. Antes de qualquer coisa é importante saber por que a criança diz ‘NÃO’ a tudo. Existem várias razões: está cansada, se sente insegura, quer nossa atenção, se sente frustrada e o mais importante: está forjando sua personalidade. Como podemos controlar essas situações? 

- Dar alternativas à criança: se não quer colocar o vestido azul, deixe que ela escolha o que goste. São crianças, mas a não se que suas decisões sejam prejudiciais podemos deixá-las espaço para opinar e decidir. 

- Atenção com o excesso de regras: quando as crianças têm muitas normas para cumprir pode ser que ao invés de obedientes elas se rebelem e tentem não se sentir tão controladas. 

- Não dizer NÃO a tudo: se a gente continuamente diz à criança ‘não mexa nisso’, ‘não suba na poltrona’, ‘não pule nas poças de água’, como a gente vai querer que ela não diga não? Podemos utilizar opções como: ‘se você subir na poltrona você pode cair e se machucar’, ou ‘se você pula nas poças de água sem botas você vai acabar se molhando e teremos que voltar pra casa’. 

- Respeite as rotinas da criança: se não tiver descansado bem ou tem fome estará mais iracunda e nervosa. 

- Paciência: respirar fundo e não perder a paciência. Temos que fazer a nossa parte para evitar situações que venham a desembocar em uma birra e empregar a empatia para compreender o momento que ela está vivendo. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com