8 métodos para educar os filhos sem perder a paciência

Como ter paciência com as crianças

Vilma Medina

Vilma Medina

As crianças são capazes de tirar de você o mais belo sorriso, de te enternecer como ninguém, e te surpreender com as pequenas coisas. Mas, também em apenas um minuto elas podem nos tirar do sério e nos causar um ataque de nervos.

Alguns maus comportamentos das crianças provocam com que os pais percam a paciência. É então quando cometemos erros como: gritar com os filhos, recorrer às qualificações do tipo ‘você é muito mau’ ou colocar a criança em castigos excessivos. 

Dicas para manter o controle com as crianças e não perder a paciência

8-métodos-para-educar-os-filhos-paciência A 

Os pais sabem, em muitas ocasiões, que os gritos não são a solução, tão pouco frases negativas que somente desmotivam aos nossos filhos, e o castigo físico não ajuda e ainda piora a situação. As razões pelas quais recorremos a esses métodos é porque: a gente aprende desde pequenos, porque não conhecemos outros ou porque precisamos de autocontrole

A gente dá alguns conselhos que você poderá colocar em prática para não perder a cabeça com as crianças. São métodos simples que nos ajudarão a educar melhor aos nossos filhos: 

1. Reconhecer os erros: antes de tudo temos que aceitar que muitas vezes a gente se equivoca com a educação das crianças. Analisar o que tenhamos feito de ruim é o primeiro passo para não voltar a cometer erros desse tipo. 

2. Aprender a relaxar: tem ocasiões que o nosso filho paga pela consequência do estresse que acumulamos. Por isso, é importante diminuir esse nível de ansiedade. Basta respirar fundo, passear uns cinco minutos pela rua, fechar os olhos e pensar em um lugar bonito e tranquilo ou escutar música relaxante. Também ajuda fazer exercícios e ainda descansar bem. 

3. Trabalhar a empatia: não podemos nos esquecer que já fomos criança, e lembrar também que a gente já derrubou um copo de água, que tínhamos preguiça de recolher os brinquedos ou nos fazíamos de surdos quando nossa mãe nos chamava para jantar. As crianças têm certas condutas que a gente tem que aprender a lidar enquanto elas vão aprendendo. 

4. Estabelecer regras e rotinas: para evitar que a casa se torne num caos e as crianças se comportem é fundamental impor regras e limites na sua educação, assim como rotinas para que aprendam quais são suas obrigações em casa. Nem sempre elas seguirão as regras e nem sempre executarão as tarefas, mas se cada um tem uma responsabilidade ajudará a descarregar a tensão diária e evitaremos muitos momentos que provoquem com que a gente perca a paciência. 

5. Concentrar-se no que é importante: os pais sempre querem impor a sua opinião nos mínimos detalhes, por exemplo, se a gente quer que o nosso filho se agasalhe, tanto faz se ele não quiser colocar a blusa vermelha e sim a verde. O importante é que ele saia de casa bem abrigado. 

6. Dedicar tempo de qualidade: ainda que a loucura do dia a dia seja tremenda é importante reservar um tempo, ainda que pequeno para brincar com as crianças para desfrutar com elas deliciosamente. Nem todos os dias têm que ser apenas tarefas, deveres e rotinas. Divertir-se e rir ajuda a liberar o estresse e a levar a vida com mais filosofia. 

7. Deixar a criança ser ela mesma: temos de controlar a necessidade de fazer todas as coisas à nossa maneira e deixar com que a criança nos diga o que ela gosta e do que ela não gosta, que ela se expresse e realize suas tarefas como ela acredita que seja conveniente. Não temos de controlar cada coisa a criança diz, faz ou pensa.

8. Ensinar com o exemplo: se somos amáveis com as crianças, não gritamos com elas e as tratamos com respeito elas nos devolverão isso mesmo, porque o seu comportamento será muito melhor do que se estivermos constantemente repreendendo-as ou desaprovando o seu comportamento.

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com

Crianças, hoje vale tudo!

Crianças, hoje vale tudo!

O dia do tudo pode. Para muitos pais chega a doer a boca de tanto dizer “não” aos filhos, e ainda que reconheça que é necessário dizer esse fatídico monossílabo, também temos que levar em conta que nossos filhos necessitam escutar algum “sim” ou “está bem”.

Os quatro valores fundamentais na educação das crianças

Os quatro valores fundamentais na educação das crianças

Bondade. Sinceridade. Honra. Lealdade. São os quatro valores essenciais que nunca deveríamos descuidar na hora de educar nossos filhos. Pelo menos é o que pensa Leopoldo Abadía, economista, pensador, pai e avô (tem 12 filhos e 40 netos).

Como repreender as crianças de forma construtiva

Como repreender as crianças de forma construtiva

Em algumas ocasiões devemos repreender nossos filhos pelo seu comportamento, por algo que fizeram ou deixaram de fazer. Apesar de que repreender não possa ser a melhor via para que uma criança aprenda, se soubermos fazê-lo de forma construtiva, elas podem ser usadas de vez em quando.

Como educar as emoções dos filhos

Como educar as emoções dos filhos

Os pais podem ensinar aos filhos a canalizarem suas emoções e a identificá-las. É importante que as crianças aprendam a se controlar e a serem empáticas com as outras. A educação emocional faz parte da formação da criança. A psicóloga Silvia Álava, nesta entrevista a Guiainfantil.com, esclarece em que consiste a inteligência emocional.

5 erros de disciplina que os pais cometem

5 erros de disciplina que os pais cometem

Os pais querem que seus filhos sejam educados, disciplinados e que respeitem limites. No entanto, as crianças não podem fazê-lo por ciência infusa (Conhecimentos adquiridos naturalmente, sem estudo, nem ensinamento). Os pais são os encarregados em fazê-los entender que existem normas a serem cumpridas e explicá-las quais são.

Medos e temores na infância. O medo na educação das crianças

Medos e temores na infância. O medo na educação das crianças

Francisco Xavier Méndez, catedrático de Psicologia da Universidade de Murcia (Espanha), assegura em recente livro (Miedos y temores em la infancia – Medos e temores na infância), que o medo é o guarda-costas da criança e não deve ser motivo de preocupação a não ser que seja desproporcional ou a intensidade da resposta lhe produz um mal estar físico ou emocional.

0 comentarios