Como repreender as crianças de forma construtiva

Conselhos para educar nossos filhos de forma eficaz

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Em algumas ocasiões devemos repreender nossos filhos pelo seu comportamento, por algo que fizeram ou deixaram de fazer. Apesar de que repreender não possa ser a melhor via para que uma criança aprenda, se soubermos fazê-lo de forma construtiva, elas podem ser usadas de vez em quando. 

Neste artigo a gente apresenta as chaves para repreender as crianças de forma construtiva, ou seja, para que tenham valor educativo e não acabem sendo somente outra forma ineficaz de castigo que prejudique a autoestima de quem mais amamos. 

10 dicas para repreender as crianças de forma construtiva

como-repreender-as-crianças-forma-construtiva A

As repreensões verbais devem ser usadas em ocasiões pontuais, como, por exemplo, quando a criança tenha realizado algum tipo de ação em que tenha colocado ela mesma ou a terceiros em perigo, ou transgride normas e limites de forma reincidente. 

Educar nossos filhos é um longo processo em que se precisa de tempo, muita paciência e ter em mãos diferentes técnicas, entre elas algumas corretivas como as repreensões verbais. Nós sabemos que é necessário incentivar a disciplina nesse processo, mas devemos saber aplicá-la de modo construtivo, evitando que a criança obedeça somente pelo medo de ser castigada ou repreendida. 

Disciplinar significa educar incentivando a reflexão e o diálogo, por isso, quando formos disciplinar nossos filhos, nós devemos levar em conta estas 10 dicas para fazê-lo de um modo construtivo e eficaz. 

1. O objetivo sempre é educar, não atemorizar nem humilhar, por isso devemos falar sem desqualificar ou envergonhar a criança. 

2. Evite erguer a voz, ainda que o tom da voz deva ser enérgico e com autoridade.

3. Fazê-lo em particular, nunca em público e muito menos diante dos amigos.

4. Oferecer as alternativas possíveis à conduta que estamos repreendendo. 

5. Recordar que deve ser corretiva e incentivar a reflexão, por isso devemos utilizar uma linguagem adaptada ao nível de idade da criança.

6. Não deve ser um longo sermão.

7. Deve ser objetiva e não obedecer aos nossos estados de ânimo negativos, ou seja, devemos repreender o comportamento que queiramos corrigir e não descarregar nos nossos filhos o mau humor ou cansaço acumulado.

8. Usar de forma pontual, nunca como único método educativo, já que perde o sentido e a criança pode se acostumar a ser repreendida. 

9. Recordar que sempre é melhor e preferível fortalecer os comportamentos adequados a castigar os comportamentos inadequados. 

10. Se quisermos que nossos filhos aprendam a se comportar adequadamente, nós temos que oferecer-lhes bons modelos e exemplos em casa. Não podemos exigir dos nossos filhos que reajam de maneira tranquila diante das adversidades se nós mesmos perdemos o controle toda vez que fazem algo que a gente não goste. 

As crianças aprendem por imitação e modelos. Necessitam de normas e limites, mas muito mais de boas referências de comportamento que devem seguir.

Sara Tarrés Corominas

Psicóloga infantil 

Orientadora infantil