Pais viciados nas novas tecnologias

Como o vício dos pais às novas tecnologias pode gerar problemas de diálogo na família

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Se nós, pais, somos um espelho para as crianças, que estamos mostrando a elas? Há alguns dias eu almoçava com meus filhos em um restaurante e logo chegou uma família. Os dois pais com seus dois filhos se se sentaram à mesa ao lado. Logo a seguir, os pais tiraram os celulares do bolso e começaram a utilizá-lo.

As crianças gritavam, subiam nas cadeiras, jogavam guardanapos no chão. Mesmo assim não conseguiram chamar a sua atenção. Durante longos minutos seus pais navegavam pela rede distraidamente, alheios ao que acontecia com os seus filhos. 

O vício dos pais às novas tecnologias afeta as crianças

pais-viciados-nas-novas-tecnologias A 

Eu me entristeci ao ver essa cena. Eu imaginei como seria o dia a dia dessas crianças, que gritavam desesperados para conseguirem alguns minutos da atenção dos seus pais. Isso me fez pensar. O que estamos ensinando aos nossos filhos? Até onde pode nos levar à loucura estarmos conectados 24 horas do dia às redes sociais? 

Existe algo que nunca poderemos devolver aos filhos: o tempo que perdemos enquanto nossos filhos cresciam. Seus sorrisos, suas brincadeiras, suas frases ingênuas. De repente, eles crescem e não há como voltar atrás. Será então que serão os filhos que vão ignorar seus pais e os pais ficarão tentando chamar a atenção dos filhos. Serão eles, nossos filhos, que ficarão conectados às redes e se isolem do mundo.

Da mesma forma que faziam os seus pais. E não adianta chorar o leite derramado. Cada vez é mais comum ver as crianças pequenas com seus smartphones na mão. Os pais devem estar cientes da importância do diálogo familiar

Calcula-se que uma em cada 1000 pessoas tem dependência do celular e a metade dos menores de 17 anos asseguram que precisam do celular no seu dia a dia. Dormem com ele e se levantam com ele. Com esse panorama, como será o futuro dos nossos filhos? Como se relacionarão com os demais? E o que mais preocupa aos pais: como eles se relacionarão com a gente? 

Estefanía Esteban
Redatora de GuiaInfantil.com