A asma infantil pode ser prevenida na gravidez

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Se eu voltasse a ficar grávida eu me cuidaria muito mais. E se você está pensando em ter um bebê, eu te alerto que tudo o que comemos como o que respiramos influencia de maneira determinante na saúde do nosso bebê

Cada vez mais estamos expostos a sofrer os efeitos que a deterioração do meio ambiente produz na nossa saúde. A consequência negativa que mais chama a atenção está relacionada com o ar que respiramos, com a contaminação ambiental e os hábitos nocivos como o cigarro e sua repercussão na asma infantil.

Proteja a saúde do seu bebê desde a gravidez

a-asma-infantil-prevenida-na-gravidez A

A Fundação Roger Torné de um Guia Europeu de Saúde Infantil e Meio Ambiente para pais e mães, com uma linguagem amena, mas baseada nos resultados de mais de 150 estudos científicos foram colocados à nossa disposição. 

Assim, o Grupo de Vias Respiratórias da Associação Espanhola de Pediatria em Atenção Primária (AEPap) tem demonstrado algumas evidências que asseguram que os fatores condicionantes da saúde respiratória infantil estão relacionados com a interação do meio ambiente e a genética dos indivíduos.

Vários estudos têm demonstrado que o risco ambiental mais significativo para o desenvolvimento da asma na infância é a exposição da fumaça do cigarro no útero. O tabagismo da mãe durante a gravidez ou a exposição passiva ao cigarro, naqueles casos em que a gestante não fumava, é um risco importante para o desenvolvimento da asma nos fetos. 

Por outro lado, também existem muitas provas de que a contaminação do ar piora a asma já existente, e outros estudos apóiam a associação sobre a contaminação do ar e a incidência da asma

Nesta linha, uma pesquisa recente descobriu como a exposição à poluição do tráfego de carros influencia no desenvolvimento da asma nos filhos de mães expostas a este tipo de contaminação. Este trabalho reivindica a origem precoce das doenças respiratórias desde o seio materno. 

A alimentação é outro fator que influencia na prevalência das doenças respiratórias. Tem-se demonstrado que o consumo frequente de frutas, verduras e peixe se associa a uma prevalência mais baixa de asma, enquanto um alto consumo de sanduíches e comidas gordurosas termina com uma maior prevalência da mesma.

Marisol Nuevo

Redatora de Guiainfantil.com