A gravidez também pode provocar celulite

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Ainda que a atriz Jessica Alba tenha afirmado que estava encantada com suas estrias e celulites, consequências da sua gravidez, não parece muito confiável que alguém que viva da sua imagem pense assim, ainda que a gravidez tenha sido a coisa mais maravilhosa que ela já tenha passado na vida. As sequelas físicas da gravidez e do aleitamento materno nem sempre são desejáveis, ainda que a gente pague este custo encantadas. 

As celulites e as estrias na gravidez

a-gravidez-também-pode-provocar-celulite A 

É verdade que as estrias ou as celulites, em consequência da gravidez, podem pressupor algo sem importância para muitas mulheres, já que elas se sentem tão felizes que tudo o mais tanto faz. Muitos ginecologistas consideram que o corpo da mulher chega ao seu desenvolvimento total depois da maternidade, assim que podemos considerar que essas alterações fazem parte da evolução natural e normal do nosso corpo após ter filhos. 

Existem diferentes etapas em que a mulher é mais propensa à formação da ‘pele de casca de laranja’ ou a celulite: a puberdade e a gravidez, assim como o emprego de contraceptivos orais podem provocar uma concentração excessiva de estrógenos, que condiciona o aparecimento de celulites, já que as altas concentrações desse hormônio podem provocar a fragilidade e a porosidade dos vasos sanguíneos que permitem um acúmulo de líquidos e toxinas no tecido celular subcutâneo. 

Outras causas são a prisão de ventre, o estresse, uma má alimentação, o cigarro ou a falta de exercício físico. Existem alguns alimentos que podem nos ajudar na nossa luta contra a celulite: morango, kiwi, e, sobretudo o abacaxi. Essas frutas podem acelerar a reparação dos tecidos, eliminando toxinas e ajudando a retenção de líquidos pelos seus efeitos diuréticos.

A gente também pode aplicar alguns óleos naturais e tonificantes como o óleo de rosa mosqueta que tem uma comprovada ação terapêutica: regenera a pele, favorece a circulação sanguínea, redistribui a pigmentação da pele, eliminando manchas como o cloasma gravídico e a sua utilização tem efeitos preventivos, além de ativar a autogeração de melanina que podem nos ajudar a evitar o envelhecimento precoce produzido pelo sol. 

As ações cosméticas do óleo de rosa mosqueta são: nutrição da pele, cuidado dos danos solares, hidratação e limpeza da pele. Sem dúvida, nossa autoestima pode aumentar enormemente com a maternidade, mas também o nosso aspecto físico. Temos que cuidar do nosso corpo para que os efeitos indesejáveis que possam aparecer durante a gravidez e o aleitamento sejam menores e estejamos contentes tanto como o nosso precioso bebê, como com o nosso recém-inaugurado corpo de mamãe.

Patro Gabaldón

Redatora de GuiaInfantil.com