Quando a licença maternidade termina para as mulheres trabalhadoras

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Em alguns países como a Espanha, o período de licença maternidade é curto, pelo menos para mim sim, sobretudo porque me vi obrigada a interromper o aleitamento antes dos seis meses. Ainda que em algumas ocasiões possa ser acrescentado o mês de férias à licença de 16 semanas, o mais difícil da incorporação ao trabalho foi ter que utilizar a bombinha para retirar o leite em meio à jornada laboral. 

Eu sempre achei um absurdo que a licença maternidade dure somente 4 meses, ao invés de 6 meses, que é o que a OMS (Organização Mundial da Saúde) estabelece quanto à alimentação da demanda do bebê pelo leite materno. No Brasil, o afastamento é de no mínimo quatro meses e de no máximo seis meses, dependendo do tipo de ocupação que a futura mamãe tenha. A lei que amplia a licença para seis meses ainda não foi aprovada para todas as categorias. 

Mães trabalhadoras, entre os filhos e o trabalho

quando-a-licença-maternidade-termina-trabalhadoras A

O dia 8 de março se comemora o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora. Eu gostaria de render uma homenagem especial a todas aquelas mulheres e mães que hoje estão agoniadas porque está terminando a sua licença maternidade e têm que voltar ao trabalho. E isso ainda com a crise econômica mundial, poderíamos dizer que ter um filho hoje em dia é um grande privilégio, e mais ainda no caso das mulheres, cuja taxa de desemprego é superior a dos homens. 

De modo que, se a sua licença maternidade acabou e você está angustiada com a incorporação ao trabalho, mude o chip, deixe a sua casa organizada e o cuidado do seu filho com pessoas de confiança e assim poderá estar tranquila no trabalho. Se você planejar viver o trabalho como uma fonte de enriquecimento pessoal e não como um limite no seu papel de mãe, você se sentirá mais contente e feliz. 

Os filhos necessitam de mães felizes que os eduquem e os cuidem de maneira positiva, construtiva e com esperança. Dividir a jornada entre o trabalho e as fraldas e mamadeiras pode ser esgotante, mas também muito enriquecedor. Voltar ao trabalho também me ajudou a sair da minha rotina doméstica. No início, eu reconheço que foi muito duro para mim me separar do meu filhinho. Quando chegava a casa, ele me esperava com os braços abertos e então trocar-lhe as fraldas era um presente, não uma obrigação. 

Depois, quando as crianças vão crescendo, o reencontro pela tarde à porta da creche ou da escola é um momento importantíssimo. Com a escolarização, as crianças iniciam uma nova vida, hábitos e rotinas, e se as mães estão trabalhando, de alguma maneira poderão sentir que recuperaram a vida porque realizaram um ótimo trabalho como mãe de família e como as profissionais que sempre desejaram ser.

Marisol Nuevo

Redatora de Guiainfantil.com