8 de Março. Dia Internacional da Mulher Trabalhadora

O papel e a participação das mulheres que trabalham na sociedade

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Mulheres, avós, mães, netas, sobrinhas... O dia 8 de março é de vocês!! Um dia para lembrar o papel e a participação das mulheres no processo de consciencia do seu valor humano dentro da sociedade. Um dia para registrar e despertar o mundo, e ressaltar a importância da atuação da mulher em todos os âmbitos da vida familiar e social.

O valor y a celebração do día da mulher trabalhadora

Dia da Mulher trabalhadora. 8 de março

Um dia é muito pouco para homenagear as mulheres e celebrar a sua luta constante, diária e incessante. Um dia é pouco para reconhecer a participação da da mulher na construção de uma família, na conquista do mercado de trabalho, na luta pela sua liberdade de pensamento e de eleição, até chegar a ocupar um espaço a que tem direito.

O direito de ser mulher O direito de ser mulher. Um dia desses eu ouvi um desabafo de uma amiga que dizia: ‘A vida não está fácil... Mas, claro, eu quero viver mil vidas: mulher, mãe, esposa, filha, dona de cachorro, amiga, desportista, motorista, psicóloga, enfermeira, professora, cozinheira, secretária... Assim, como vou conseguir levar a vida? E eu pensei: ‘Como eu a entendo!’. No dia 08 de março a mulher trabalhadora e mãe tem muito a conquistar.

O desafio de ser uma mulher com multitarefas O desafio de ser uma mulher com multitarefas. Quais os desafios que você enfrenta sendo mulher, mãe e trabalhadora? Ser mãe é um reconhecimento que se consegue com a energia de amar, guiar, cuidar, acompanhar e proteger com devoção aos filhos. A maioria das mulheres se sente completa ao gerar um filho. Mas, como conciliar com o trabalho?

Como dar conta do trabalho tendo filhos Como dar conta do trabalho tendo filhos. Conciliar trabalho e filhos é um meta que toda família espera alcançar. Uma das grandes preocupaçoes dos pais é onde deixar o bebê para poder trabalhar. Babás, creches e vovós são algumas das opções para as crianças quando o papai e a mamãe trabalham fora. O que você faz para conciliar o trabalho com o cuidado dos filhos?

O estresse de ser mãe e trabalhadora O estresse de ser mãe e trabalhadora. Conciliar a maternidade com o trabalho tem gerado muito estresse às mulheres. Com certeza para algumas mais do que para outras, dependendo, dentre outras coisas, da ajuda recebida, e, sobretudo da situação econômica. Tem muita mulher deixando o trabalho fora de casa para se dedicar aos filhos e à família.

Como conciliar trabalho e família Como conciliar trabalho e família. Conciliar trabalho e família. Hoje em dia, ter e manter uma família com saúde é uma tarefa que exige compromisso e muita responsabilidade. O compromisso começa nos pais, na sua forma de dividir as tarefas de casa, as obrigações com os filhos, etc. Te damos idéias para conciliar melhor o trabalho com a família.

Quem cuida do bebé quando a mãe volta ao trabalho Quem cuida do bebé quando a mãe volta ao trabalho. Chegará um momento em que a licença maternidade chegue ao seu fim e tenha que reincorporar ao trabalho. Existem mamães que estão desejando que chegue esse momento e dar um pouco de normalidade na sua vida, enquanto que outras desejariam alongar um pouco mais a licença maternidade. Seja como for, é o momento de tomar algumas decisões em relação ao cuidado do bebê.

Salário de uma mãe que trabalha em casa Salário de uma mãe que trabalha em casa. Cozinhar, limpar, esfregar, passar, costurar, dar banho nas crianças, recolher a roupa, passar o aspirador, repassar os deveres com as crianças, levá-las ao parque, cuidar quando estão doentes... Quanto dinheiro você acredita que deveriam pagar a uma mãe por trabalhar em casa?

Trabalhar e amamentar ao bebê Trabalhar e amamentar ao bebê. A pior coisa para conciliar é o paradoxo do aleitamento com o retorno ao trabalho após a licença maternidade. Interromper este maravilhoso processo natural que tem protegido a saúde do bebê e que já criou uma sólida e amena união entre a mãe e o filho é muito difícil.

Historia do día da mulher trabalhadora

Este dia dedicado às mulheres trabalhadoras se deve a um trágico caso que aconteceu nos Estados Unidos, no ano de 1857. O dia 8 de março deste ano, as mulheres que trabalhavam numa fábrica textil de Nova York, resolveram parar de trabalhar como protesto às suas precárias condições de trabalho. Esta era a primeira vez na história que as mulheres se juntavam para reivindicar melhorias de trabalho e outros direitos.

As mulheres pediam a redução do horário de trabalho diário, que era de 10 a 16 horas diárias. Além disso, por trabalhar tantas horas, elas só ganhavam apenas 1/3 do salário que recebiam os homens.

O protesto das mulheres foi contido de uma forma muito violenta, terminando com a morte de 129 trabalhadoras, asfixiadas e queimadas dentro da fábrica. Anos depois, em 1910, durante uma conferência internacional das mulheres realizada em Dinamarca, surgiu a idéia de criar uma data específica para homenagear às operárias mortas na fábrica textil. Em 1975, a Assembléia Geral da Organização de Nações Unidas (ONU), decidiu decretar o dia 8 de março como Dia Internacional da Mulher Trabalhadora.

O valor da mulher na sociedade

A trajetória até o reconhecimento da mulher no âmbito laboral são lentos, mas avançam. Desde que nasceu a necessidade de estabelecer valores femininos dentro da sociedade, o papel da mulher tem crecido, mesmo devagar, em todos os sentidos. A mulher atual se faz respeitar, valorizar e tem ocupado espaços importante na sociedade. Mas ainda que a mulher tenha subido degraus cada vez mais altos, ainda segue sendo perseguida pela discriminação, pelo machismo, e se isso fosse pouco, a mulher ainda é vítima de agressões sexuais e da violência de gênero.

Na Índia, por exemplo, as mulheres ainda são moeda de troca nas transações familiares, e em Pekin, a ONU estabeleceu desde 1995 um compromisso de luta pela igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. Trata-se de um marco para colocar fim à discriminação da mulher em setores como a saúde, educação, emprego, participação política e os direitos humanos. Algo já conseguiram, mas o debate ainda continua e parece que será interminável.

Parabéns à todas as mulheres lutadoras, batalhadoras, às que continuam lutando pelos seus filhos, seu trabalho, sua família… e acreditando que a igualdade de valores e de direitos são iguais para todos.