Muitos pais se equivocam com a dose de remédios das crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

As bulas de dos remédios parecem autênticos hieróglifos. Entre a prescrição, efeitos secundários e doses recomendadas dependendo do peso da criança se tornam complexos, muito complexos.  

Talvez por isso, muitos pais terminam dando remédios aos seus filhos ‘a olho’. De fato, um recente estudo revela que até 80% dos pais se equivocam com a dose dos remédios. 

O erro dos pais com a dose de medicamento dos seus filhos

muitos-pais-se-equivocam-com-a-dose-de-remédios A 

No estudo, realizado pela Universidade de Medicina de Nova Iorque, mais de 2.000 pais participaram. O resultado é alarmante: Mais de 80% se equivocou na hora de dar o remédio aos seus filhos. Sobretudo, acontece com os medicamentos líquidos. 

Em 68% dos casos, os pais davam mais medicamento do que deveria à criança. O problema parece estar no copo dosador. Cria confusão. No entanto, os pais que utilizam a seringa para dar remédio aos seus filhos são muito mais precisos. 

No experimento os pais foram colocados à prova com a amoxilina, um dos antibióticos mais utilizados entre as crianças. Foi pedido aos pais (sob supervisão) que lessem bem as instruções da etiqueta e dessem a medicação à criança. As doses podiam ser de 2,5 ml, 5 ml e 7,5 ml. E a forma de administrá-lo poderia ser: ou seringa medidora com aumentos de 2 ml, seringas com aumento de 5 ml e um copo dosador que já vem com a medicação. O erro foi muito maior entre os pais que optaram pelo copo dosador. O mais grave é que 21% estiveram a ponto de administrar ao seu filho o dobro da dose recomendada.     

Conselhos para evitar erros na medição de medicamento infantil 

Mas, é verdade que é tão perigoso se equivocar um pouco a dose do medicamento? Evidentemente, isso dependerá do tipo de remédio que seja administrado. Calcula-se que mais de 60.000 crianças acaba indo ao pronto socorro por culpa de uma overdose de medicamento. O melhor é seguir esses conselhos básicos: 

1. Não automedicar a criança. Consultar sempre o pediatra. Se for necessário pedir escrita a dose que se deve dar à criança. 

2. Pesar a criança antes de dar-lhe o medicamento. Pode ser que faça muito tempo que não pesemos o nosso filho e não nos damos conta de que engordaram alguns quilos. O mais conveniente será nos assegurarmos do peso correto do nosso filho antes de medicá-lo. 

3. Utilizar uma seringa. Se for possível ajuda a medir o medicamento com mais precisão.  

4. Ler bem a bula. Em cada medicamento se especifica a dose correta segundo a idade e o peso da criança

5. Não volte a dar o medicamento se a criança tenha vomitado. É um grande erro entre os pais. Se a criança vomita aos dois minutos após dar-lhe o medicamento, o mais provável é que não tenha vomitado o remédio. À meia hora depois de administrá-lo é possível que sim.  

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com