Bebê dormir na cama com os pais: mais benefícios do que riscos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Os pais sempre estão se perguntando: ‘A gente deve carregar nosso bebê nos braços ou não?’ ‘A gente deve deixá-lo dormir com ou sem luz?’ ‘É aconselhável que ele durma na nossa cama?’. Essa prática de deixar o bebê dormir com os pais, como tudo, tem vantagens e desvantagens, ainda que acredite ser uma opção válida e que cabe a cada família escolher e decidir como dormir na sua casa. Minha filha vinha à nossa cama durante a noite por vários anos, e creio que isso não comprometeu em nada o seu desenvolvimento. 

Quando o bebê dorme com os pais 

Pais e filhos devem ou não compartilhar a mesma cama? Essa é uma prática muito antiga e uma discussão que a cada dia desperta mais o interesse dos pais e especialistas. 

Existem muitas reflexões a respeito. Os defensores de dormir com o bebê, normalmente também defensores da amamentação, argumentam que as crianças que compartilham a cama com sua mãe, mamam mais vezes do que as que dormem sozinhas, e, além disso, é uma prática muito eficaz para estimular o apego e o vínculo entre pais e filhos

Os que são contrários a essa prática alegam que pode aumentar o risco de morte súbita ou asfixia, alterar os hábitos de sono em etapas posteriores da vida do bebê e inclusive dificultar a independência ou interferir na relação entre os pais. A pediatra em primeiros socorros, a Dra. Maria Aparício, diz que não se pode confirmar que seja uma prática segura, especialmente durante as primeiras 14 a 20 semanas de vida do bebê. O ideal, segundo ela, é que os lactantes menores de 6 meses durmam em um berço próximo ou encostado à cama dos seus pais. 

Ter o bebê por perto pode favorecer o estado de alerta dos pais diante de possíveis casos de apneia durante o sono. Ela também destaca que dormir na mesma cama com o bebê é contraindicado após o consumo recente de álcool, drogas ou medicação que induza a um sono mais profundo. Se um dos pais for fumante, ou ambos, também não é aconselhável. Outra forma proibida pelos médicos é que o pai ou a mãe durma com o pequeno num sofá. 

Quanto ao mais, creio que as crianças que buscam a cama dos seus pais o fazem para buscar abrigo, acolhimento, um ‘porto seguro’. São como bebês prematuros na incubadora, esperando o contato com as mãos do seu pai ou da sua mãe. 

Se você deixar o seu filho dormir na sua cama, não se esqueça de que você não deve abrigá-lo em excesso nem tapar-lhe a cabeça com lençóis ou mantas. A gente, várias vezes, sentimos falta da nossa filhinha no meio da gente. 

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com