Morder na creche. As mordidas dos bebês e crianças

Causas das mordidas das crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Morder na creche, de vez em quando, faz parte do desenvolvimento normal da criança, mas quando o bebê ou a criança o faz de forma persistente, pode ser motivo de preocupação, tanto para os pais como para os educadores. 

As mordidas dos bebês e crianças são muito dolorosas para quem as recebe, e, além disso, pode provocar conflitos entre os companheiros. As crianças, uma vez que tenham sofrido repetidas agressões tendem a rejeitar a aproximação da criança que morde e terminam isolando-a do grupo. Para colocar um fim a este tipo de comportamento, o primeiro passo é saber por que a criança está agindo dessa forma. 

Causas das mordidas das crianças e bebês

morder-na-creche-as-mordidas A

Os bebês utilizam sua boca para explorar, para aprender mais sobre o seu mundo e para se relacionar. Desconhecem a dor alheia e precisam de autodomínio: agem por impulso. Elas podem morder porque estão alegres, como porque querem conhecer objetos ou necessitam aliviar a dor nas suas gengivas

O caso das crianças de 1 a 3 anos é diferente. Nesta idade elas têm que ir incorporando à vida em coletividade, mas ainda podem não possuir a linguagem necessária, nem ter as habilidades sociais suficientes para poder se comunicar e se fazer respeitar. Morder é uma maneira rápida de conseguir um brinquedo ou de chamar a atenção. Também utilizam este recurso quando experimentam situações que lhes causam estresse ou frustração, como, por exemplo, um ambiente desconhecido, sentir fome, o nascimento de um irmão ou se sentirem agredidas. Outras crianças mordem, simplesmente, por imitação. 

Na idade pré-escolar, as mordidas deixam de ser frequentes. Às vezes podem recorrer a essa arma para controlar uma situação, como autodefesa, para chamar a atenção ou por uma grande frustração ou chateação. Mas, se nessa idade, uma criança morde de forma persistente, pode refletir problemas emocionais ou de comportamento, já que possui habilidades suficientes para poder expressar suas necessidades e sentimentos sem morder. É possível que sua conduta seja um reflexo de problemas de relação social com outras crianças por não querer se submeter, pelo resultado de uma disciplina severa ou uma consequência da sua experiência como testemunho ou vítima de ações de violência física.

Como evitar que as crianças mordam seus companheiros

Ainda que o problema das mordidas seja normal, não devemos nos resignar com a esperança que desaparecerão com o tempo, porque em muitos casos não é assim. Devem-se estudar quais são as situações que exista maior risco e devemos tratar de nos anteciparmos para reduzir os comportamentos não desejados. 

- Se a criança está na fase em que seus dentinhos estão saindo ou está numa fase de exploração, temos que proporcionar-lhe uma grande variedade de brinquedos e coisas que possam morder para se acalmar (mordedores, biscoitos, cenouras frias...). 

- Se duas crianças brigam com frequência por um mesmo brinquedo, podemos comprar mais exemplares para que brinquem simultaneamente. 

- Se ela morde quando sente fome ou está cansada, é possível diminuir o tempo de brincadeiras para que coma antes e possa descansar.

- Se ela morde para chamar a atenção, o professor deveria passar um pouco mais de tempo com ela, mas sempre fazendo uma atividade positiva (ler um conto, jogar bola...), nunca como consequência de ter mordido. Os educadores devem evitar que o grupo que está brincando se chateie, esteja nervoso em excesso ou que seja demasiadamente numeroso. E, é claro, estar suficientemente atento e próximo para poder intervir com rapidez em caso de necessidade. 

Virginia González 

Psicóloga

Professora de Educação Infantil