Dez dicas para ensinar o seu filho a fazer as tarefas de casa

Truques para ensinar as crianças a colaborar em casa

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Ensinar a criança a fazer as tarefas de casa é algo que traz dor de cabeça a pais e mães que desejam que seus filhos participem mais nos afazeres domésticos do dia a dia. Para que isso não seja uma batalha diária quando forem adolescentes, o melhor é ir inculcando o hábito quando são pequenos e tem vontade de imitar tudo aquilo que os adultos fazem. 

É bom lembrar que as crianças pequenas estão desejosas de participar na família, de se sentir úteis e serem consideradas parte da equipe juntamente com papai, mamãe e irmãos mais velhos, no caso de haver, sejam colocando a mesa ou recolhendo os pratos. 

Como ensinar as crianças a fazerem as tarefas de casa

dez-dicas-para-ensinar-o-seu-filho-tarefas A 

1 – Sugerir, não impor. Quando as crianças são pequenas, entre os 2 – 3 anos, devemos sugerir-lhes e convidá-las a realizar pequenas tarefas. Se, de repente, obrigarmos que se vistam sós ou arrumem sua cama pode ser que provoquemos uma rejeição inicial que implique entrar em conflitos desnecessários. É melhor dar-lhes a oportunidade de querer colaborar, de querer ser mais um como o restante e estimular o interesse em participar da sua imagem, da ordem da casa, da limpeza, da higiene... 

2 – Fazer uma pequena lista de tarefas diárias à criança em função da sua idade e maturidade. As tarefas nunca devem implicar num esforço tão grande que provoque tempo para realizar os deveres da escola ou brincar. Para crianças entre 3 e 4 anos podemos pedir-lhes que se vistam, que coloquem o pijama e deixem a roupa suja no cesto apropriado. Na medida em que cresçam iremos somando responsabilidades progressivamente como, por exemplo, colocar ou retirar a mesa, alimentar seus bichinhos de estimação, preparar a mochila escolar ou arrumar o seu quarto. 

3 – Anotar as tarefas ajuda a lembrar. Ter anotadas as tarefas que cada um deve fazer ajuda tanto os pequenos como os adultos a lembrar suas responsabilidades. É bom tê-las num lugar visível para não nos esquecermos do que devemos fazer. 

4 – Acompanhar e orientá-los durante o processo. Explicar-lhes com linguagem positiva o que, como, quando e por que devem realizar suas tarefas. As explicações devem ser breves e claras, sem longos discursos ou sermões. Por exemplo: ‘Toda manhã deixamos a cama feita antes de ir à escola. O quarto fica mais bonito e você dormirá melhor a noite’. 

5 – Ser modelos a seguir. As crianças pequenas aprendem basicamente por imitação, ou seja, seguem aquilo que vêem os adultos fazerem, portanto, devem ter a oportunidade de observar como fazemos o que estamos pedindo a eles. 

6 – Recompensar o esforço. Não esqueçamos a importância do reforço positivo após uma conduta para que essa não volte a repetir. As melhores recompensas são as não materiais: um elogio, um beijo, ou realizar uma atividade juntos, como um cinema. 

7 – Não fazer por eles o que já podem fazer sozinhos. Seguindo a linha de María Montessori, qualquer ajuda desnecessária é um obstáculo para a aprendizagem. 

8 – Não esperar a perfeição. As crianças pequenas têm uma motricidade limitada, por isso é normal que as coisas caiam ou escorreguem de suas mãos, derramem água ou não saibam estirar ou dobrar adequadamente a roupa de cama quando a estão arrumando. 

9 – Sem gritos nem maus modos. Os gritos nunca ensinam a conduta que desejamos que os nossos filhos realizem nem nos dão maior autoridade. Os gritos paralisam e minam a credibilidade. Se formos perder a paciência o melhor é deixar a tarefa para outro momento de maior serenidade e voltar ao início. 

10 – Paciência infinita. Os pais devem se armar de paciência infinita quando estão instaurando o hábito de realizar as tarefas de casa. Paciência porque seus tempos são diferentes dos nossos, paciência porque qualquer tarefa requer tempo para a aprendizagem e paciência porque, às vezes, aparecerão as respostas negativas e os conflitos. 

Sara Tarrés

Psicóloga Infantil