O que fazer para que as crianças organizem as suas coisas

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Ser organizado pode começar como um hábito desde a infância, e com o tempo, converter-se em uma virtude muito útil na vida profissional, inclusive na estabilidade emocional

Mas isso pode parecer uma utopia para muitas mães, quando entram no quarto dos seus filhos e vêem uma imagem que causa horror: roupas pelo chão, sapatos e meias por todos os lados, brinquedos e livros espalhados e as gavetas e os armários... Melhor nem falar! 

O hábito de recolher e organizar das criançaso-que-fazer-para-que-as-crianças-arrumem-suas-coisas A

Por onde começar? Essa pode ser a primeira pergunta e valeria à pena encontrar a resposta quando ainda são pequenos, pois suas primeiras habilidades de organização que aprendem na infância serão as sementes que prosperarão mais tarde, na adolescência e na idade adulta. Muitas vezes, as mães estão conscientes da importância de incorporar não somente hábitos higiênicos, de alimentação e de estudo nos seus filhos, mas também no que ser refere à organização e disciplina, sem os quais será muito difícil convertê-los em homens e mulheres de bem; mas, em determinadas ocasiões custa muito para a gente encontrar o método eficaz para conseguir tal façanha. 

Em geral, as crianças se agradam de um lar organizado, e este conceito não se restringe a que cada coisa esteja no seu devido lugar. Refere-se também a uma vida familiar com ritmo próprio e que seja respeitosa com hábitos e costumes que geralmente são herdadas de geração em geração. As crianças necessitam dessa coerência e disciplina, por isso podem incorporar habilidades de organização com mais facilidade do que aparentam, ainda que isso pudesse estar relacionado aos traços pessoais de cada um e a maneira como as ensinamos. É importante começar o trabalho educativo desde pequenos. É desde a infância quando devemos lançar as sementes para depois colhê-las. Logo chegam os dias dos nossos filhos quererem tomar banho e se vestirem sozinhos, escolherem a roupa, os sapatos, e é aí quando poderíamos aproveitar para incorporar o princípio básico da organização: “Cada coisa deve estar no seu lugar e assim você poderá encontrar facilmente o que estiver procurando”. 

É possível que a atividade não seja atrativa no início, mas quando você conseguir incorporá-la na sua rotina diária, terá quase ganhado a batalha. O fato de você ceder à criança um espaço próprio para ela significa que você está dando uma licença criativa para ela. Ou seja, não imponha como e onde colocar cada coisa, mas aconselhe-a e dê-lhe a oportunidade de fazê-lo de acordo com o seu próprio gosto, a tomar decisões, erradas inclusive, que logo poderá retificar com a sua ajuda. À medida que as crianças vão crescendo, não é muito ampliar sua participação na dinâmica familiar. Já não bastará deixar seu quarto em ordem, mas ela também poderá participar de outras tarefas do lar como colocar e retirar a mesa, limpar o jardim, cuidar do seu animal de estimação... Quando forem adultas, essas tarefas se converterão em destrezas que servirão para a vida toda. 

Rosa Mañas

GuiaInfantil.com