Brinquedos bélicos para crianças, sim ou não?

O lado bom e o lado mal dos brinquedos bélicos para as crianças

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Consideram-se brinquedos bélicos todos aqueles que fazem alusão à guerra ou incitam a violência tais como: réplicas de armas, pistolas, espadas, lanças, assim como videogames violentos para meninos ou meninas. 

Existe um debate em que alguns especialistas têm a idéia de que não são prejudiciais, enquanto outros usam argumentos para respaldar sua negativa contra esses brinquedos. Vamos nos deter nos argumentos de cada uma das partes. 

Quem está a favor dos brinquedos bélicos para as crianças

brinquedos-bélicos-para-crianças A 

1. Os especialistas que apóiam esta idéia são aqueles que defendem que o brinquedo por si mesmo não gera violência na criança. Tudo vai depender do contexto em que ela vive. Se a criança vive rodeada de um ambiente familiar e escolar intenso, agressivo, repressivo e violento, ela não precisa de um brinquedo para representar o que vive. Se um pequeno é submetido a maus tratos físico e emocional, ele responderá com agressividade. Assim, por exemplo, não é de se estranhar que no momento de ser agredida a criança levante sua mão e utilize o seu dedo (representando uma pistola) e diga: ‘eu te mato’. 

2. As armas de mentira não têm o mesmo significado para as crianças como para os adultos. O que as crianças fazem é introduzir a realidade que vêem diariamente às suas brincadeiras de fantasia. E nem por isso assumirão o papel de violência toda a sua vida. 

3. A existência desses tipos de brinquedos é somente o reflexo do mundo bélico em que vivemos. O gosto por eles é que gera a violência da própria sociedade na sua maneira de se comportar. 

4. Para estes especialistas é mais censurável o pouco controle que as mensagens através da televisão dão, que acabam gerando a violência que os brinquedos bélicos que as crianças pedem após assistir aos anúncios. 

5. Um brinquedo bélico é tão somente um brinquedo que terá o seu significado no ambiente que aparecer. Num ambiente ameno, comunicativo e afetuoso o seu significado será saudável. Num ambiente conflitante ele se converterá em violência. 

Quem está contra os brinquedos bélicos para crianças

1. Para os especialistas que censuram este tipo de brinquedos, eles apóiam a idéia que são os próprios brinquedos que geram uma mensagem de agressividade, de morte e de destruição. E têm uma grande incidência nas crianças. 

2. Eles afirmam que estes brinquedos não podem se descontextualizar. Ou seja, da mesma forma que os carros são feitos para transportar, as bonecas para abraçar, as armas são para matar. 

3. Para eles, o grave e preocupante desse tipo de brinquedo é que não apenas geram na criança violência, mas que converte a agressividade numa norma de conduta. 

4. Neste lado da polêmica se pensa que esses tipos de brinquedos são prejudiciais, sobretudo quando a criança tem entre 3 e 6 anos, período em que desenvolve o jogo de papeis que consiste em se identificar com um modelo da vida real, seja um médico, um bombeiro, um policial, um presidente, uma mamãe. Se os pais oferecem este tipo de brinquedos podem estimular um modelo de violência. 

Depois de todas as razões que os especialistas nos ofereceram, de que lado você se posiciona como pai ou mãe? 

Borja Quicios Abergel
Psicólogo educativo e coaching educativo