Decálogo dos erros de uma mãe de primeira viagem

Os 10 erros que podem cometer as mulheres que são mamães pela primeira vez

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Os bebês não vêm com um manual de instruções debaixo do braço, por isso, ainda que você tenha lido tudo que veio às suas mãos sobre os cuidados dos bebês recém-nascidos, sempre vai pagar alguns micos pela inexperiência. Se você quiser sintonizar com o seu bebê desde o primeiro dia, isso te ajudará, a saber, quais são os erros mais comuns das mamães de primeira viagem para não cair neles também. 

10 erros da mãe de primeira viagem

decálogo-dos-erros-de-uma-mãe-primeira-viagem A 

1. Duvidar da sua capacidade como mãe. O seu instinto maternal é natural. Surge espontaneamente e você deve confiar nele. Ainda que a princípio você se encontre cansada e com incômodos após o parto, a maioria das mulheres é capaz de cuidar perfeitamente dos seus bebês, mas necessita de ajuda para outras coisas, como para ir a compras, fazer a comida, limpar, lavar a roupa... Mantenha o seu bebê ao seu lado e cuide dele. Ele te dará segurança para superar a revolução hormonal pós-parto e te afastará da depressão. Peça ajuda aos outros. 

2. Ouvir muitos conselhos dos outros. É muito típico que todo mundo te conte sua gravidez, o seu parto e depois como criaram dos filhos. Com a melhor das intenções te darão conselhos sem saber o que funcionava há alguns anos já não serve agora. Antes de colocar em prática alguns remédios caseiros ou dicas da vovó, consulte sempre o seu pediatra. 

3. Manter o seu bebê numa bolha. Tratar de evitar que os outros toquem o seu bebê é um esforço que pode desanimar qualquer um. A princípio, acreditamos que nosso recém-nascido é tão frágil, que qualquer movimento brusco pode quebrá-lo ao meio, e depois pensamos que o seu sistema imunológico é tão frágil que qualquer um pode contagiá-lo com alguma doença. Relaxe e deixe bem claro aos seus amigos e familiares que quem estiver doente evite se aproximar do bebê. Isso é bom senso. 

4. Extremar a higiene. Esterilizar tudo o que o seu bebê toca é bom, sobretudo durante os três primeiros meses. A partir do segundo trimestre você já pode relaxar um pouco com o tema da esterilização, mantendo sempre limpos os objetos com os quais o seu bebê mantiver contato. Isso o ajudará a criar suas próprias defesas e a se proteger de alergias futuras.   

5. Dar banho diariamente. Em relação à sua higiene pessoal não é necessário banhá-lo todos os dias porque o manto lipídico da sua pele se altera com o banho, ainda que depois você hidrate bem a pele dele. A princípio, dar banho no bebê duas ou três vezes na semana é suficiente. 

6. Envolvê-lo em mantas. Não é bom que o bebê tenha frio, mas tão pouco que passe calor. O calor e a sudoração no recém-nascido estão relacionados com a morte súbita e com o risco de asfixia. Para saber se está com calor é só passar a mão no pescoço da criança para ver se está suando. Se, pelo contrário, você acredita que ele possa estar passando frio, toque em suas mãos e nos seus pés para perceber se estão frios ou se apresentam uma cor arroxeada.  

7. Velar o seu sono. Manter toda a casa em silêncio enquanto dorme é um erro. Ensinar-lhe desde o princípio a dormir com o ruído da lavadora ou do lava-louças funcionando, com música ao fundo, ou com uma conversa animada na sala facilitará muito a sua vida. Habituar-se a dormir com os sons cotidianos de uma casa lhe ajudará a diferenciar o dia da noite. Por isso, também é importante não fechar a persiana durante o dia e deixar-lhe no escuro durante a noite para que seus ciclos de sono vão se amoldando aos dos adultos.  

8. Procurar o serviço de emergência por qualquer coisa. Na casa dos pais de primeira viagem o alarme pode soar antes do restante dos lares e os serviços de emergências dos hospitais sabem disso muito bem. Pouco a pouco, o pessoal de saúde irá te ensinando a observar o seu bebê para contar o que lhe passa como baixar a febre e esperar para ir ao pediatra e somente recorrer a emergências quando realmente for necessário. 

9. Respeitar horários de alimentação. Alimentar a um bebê a demanda não significa dar-lhe de comer toda vez que o deseje sem estar dependendo do relógio. Ainda que já tenha definido o tempo estabelecido que o bebê devesse comer a cada três horas, é possível que o seu filho reclame o seu alimento antes do tempo. Para estabelecer um aleitamento adequado é importante respeitar seus tempos e procurar que mame e esvazie os dois peitos em cada mamada, já que o leite do final sacie mais já que tem mais gordura e, portanto, mais calorias. 

10. Levá-lo ao cabeleireiro. As características do cabelo do seu bebê não serão definitivas até o seu primeiro aniversário. Ao nascer, podem ter uma penugem que pode ficar espetada algumas vezes e em outras ter um aspecto lambido ou encrespado. O costume de raspar-lhe a cabeça para que o cabelo cresça mais forte não tem argumentos. Você pode arrumá-lo, mas se raspar a cabeça o bebê perderá calor corporal pela cabeça e desde já não crescerá mais forte. 

Marisol Nuevo