Causas e diagnóstico da surdez infantil

A surdez pode comprometer o desenvolvimento emocional, cognitivo e social da criança

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A surdez infantil pode comprometer seriamente o desenvolvimento emocional, cognitivo e social da criança. Por esse motivo, é importante que seu diagnóstico seja realizado o quanto antes para que o trabalho de estimulação da comunicação entre o bebê e seus pais o mais cedo possível e tenha um efeito rápido no seu desenvolvimento.

Um diagnóstico precoce pode permitir os bebês iniciarem o tratamento antes dos 6 meses, evitando assim as alterações da linguagem e favorecendo o desenvolvimento neuropsicológico da criança.

Causas da surdez infantil

causas-e-diagnóstico-da-surdez-infantil A

As causas para que o bebê nasça surdo são muitas. Além dos fatores hereditários, durante a gravidez, algumas complicações ou comportamentos maternos podem gerar bebês com problemas de audição. Se a futura mamãe ingere medicamentos ototóxicos ou contrai doenças como a rubéola, toxoplasmose ou gripe, o bebê pode vir a sofrer de surdez.

No parto, o sofrimento fetal ou a precocidade são fatores de risco. Os partos difíceis e prolongados podem predispor a criança à surdez. E depois do nascimento, doenças como otite, papeira (ou caxumba), sarampo ou meningite podem danificar o ouvido, sem se esquecer dos efeitos adversos de algumas medicações.

O diagnóstico precoce da surdez nas crianças

Assim que nascem, os bebês passam por três tipos de testes, impostos pelo Ministério da Saúde, para verificar se tudo vai bem com a criança. São: teste do pezinho, teste da orelhinha e teste do olhinho. O teste da orelhinha, que pode diagnosticar a audição da criança, tornou-se obrigatório no dia 2 de agosto de 2010.

O teste da orelhinha é um exame realizado no segundo ou terceiro dia em que o bebê nasce. Também chamado de Triagem Auditiva Neonatal, qualquer dificuldade na audição do recém-nascido, pode ser detectada através dele, e não é necessário o furinho na orelha. De acordo com pesquisas, a surdez é uma das doenças mais comuns no nosso país. Por isso o teste é obrigatório.

Antigamente a surdez infantil podia ser detectada facilmente somente a partir dos 2 ou 3 anos, quando os sintomas eram claros e havia sinais evidentes de que a criança tinha alguma dificuldade auditiva. No entanto, atualmente, a surdez infantil pode ser diagnosticada com poucos dias de vida do bebê.

Um diagnóstico seguro e preciso

Um diagnóstico da surdez permite iniciar seu tratamento antes dos 6 meses, evitando assim alterações na linguagem e favorecendo o desenvolvimento neuropsicológico da criança. O diagnóstico precoce da audição se faz através de um exame audiométrico, especialmente quando existem suspeitas em situações como:

- nascimento de alto risco

- casos de surdez hereditária

- casamento entre pessoas da mesma família (consanguinidade)

- gravidez acompanhada desurdez hereditária

- casos de meningite depois do nascimento.

Um audiólogo é o especialista que se encarregará do diagnóstico e de apresentar uma solução para o problema. A surdez infantil é um problema que pode ser evitado na maioria dos casos graças aos avanços da tecnologia e da medicina. A chave é a realização de um diagnóstico rápido.

Um diagnóstico precoce da surdez infantil é fundamental para uma boa reabilitação. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a incidência de surdez entre moderadas e profundas se numera em um em cada mil recém-nascidos.