Surdez em bebês e crianças. Como detectar a hipoacusia infantil

A Dra. Gracia Aránguez nos fala da hipoacusia na infância

Vilma Medina

Vilma Medina

O ouvido começa a se desenvolver no útero materno e todo aparelho auditivo termina de se formar a partir do terceiro mês de gravidez. Desde esse momento, pode-se dizer que o bebê pode ouvir, ainda que os sons que chegam do exterior sejam amortizados pelo líquido amniótico e tecidos da mãe. Um dos primeiros exames que as crianças fazem ao nascer é o da audição, para detectar qualquer problema.

A Dra. Gracia Aránguez, membro do Comitê de Especialistas do programa de Detecção Precoce da Hipoacusia em recém-nascidos da Comunidade de Madrid nos fala da surdez em bebês e crianças.

Hipoacusia na infância

surdez-em-bebês-crianças-detectar-hipoacusia A

1. Quais são as causas da surdez infantil? 

Existem diferentes fatores que podem ocorrer uma hipoacusia infantil. 80% da hipoacusia que ocorrem na infância acontecem no nascimento ou na etapa neonatal, por isso é muito importante sempre analisar todos os fatores de risco que uma criança possa ter antes de nascer. Fatores de risco são infecções da mãe durante a gravidez, problemas durante o parto, lesões familiares que são herdadas em sucessivas gerações, infecções no momento do parto e doenças que podem ser concomitantes com perdas de audição

2. O que pode provocar a hipoacusia nas crianças?

A perda de audição é muito importante porque implica também na perda da linguagem e da fala e, portanto, um atraso no aprendizado e no comportamento e nas habilidades sociais que as crianças têm. Temos que levar em conta que todo conhecimento que não é intuitivo entra com a audição, logo a repercussão é muito séria e muito importante nesses níveis.

3. Quais são os problemas mais comuns de audição na primeira infância? 

Na primeira infância os problemas de audição mais comuns são secundários às otites de repetição que as crianças têm. Há que distinguir entre a otite externa de verão que não causa uma grande perda auditiva e as otites médias agudas do inverno. Essas sim causam uma perda de audição. E logo existe uma forma que é a otite serosa, o muco dentro do ouvido da criança, que causa essa perda de audição.

4. Como podemos suspeitar que uma criança sofra de surdez? 

Os pais podem ir observando se o seu filho vai se desenvolvendo bem assim quando nasce. Desde o nascimento e nos 3 primeiros meses de vida os ruídos o surpreendem e a criança tem o que a gente denomina de reflexos cocleares. A criança é capaz de se surpreender diante de um ruído e se despertar, e isso nos faz perceber que a criança não tem um problema auditivo. 

Quando a criança já tem de 3 a 6 meses ela gosta de brincar com coisas que apresentem ruídos e ela vai tentando se fixar no brinquedo tentando buscar a fonte sonora. A partir dos 8 meses a criança gosta cada vez mais de brincar com os sons. A partir daí, no primeiro ano, a criança começa a reconhecer seu esquema corporal, sabe duas ou três palavras e já sabe falar ‘papai e mamãe’ ou tem uma boa referência a quem chamar para cada coisa. 

A partir de um ano e meio a dois anos, toda vez que vai tendo um vocabulário mais rico, ela pode fazer frases de até duas palavras, e a partir do terceiro ano, que é quando temos integrada a linguagem, a criança é capaz de ter um vocabulário de 500 palavras e realizar frases de 4 ou 5 palavras.

5. O que fazer diante da suspeita de um problema auditivo no nosso filho?

O que se deve fazer é encaminhar o filho ao pediatra ou otorrino para que ele confirme a suspeita. Ainda assim, temos que estar atentos que no curso do desenvolvimento da criança possa haver perdas de audição flutuantes, seja por causa de uma otite ou por outros problemas. Nesse tempo, os pais terão que estar atentos se a criança os entenda bem. O primeiro ano é o gesto, sempre na nossa frente, sempre falando com ela. Se ainda assim suspeitarmos, temos que confirmar que tenha um problema auditivo para poder tratá-lo. 

6. Que sinais podem indicar aos professores que a criança sofre de hipoacusia? 

Quando um professor em uma escola encontra a uma criança que não presta atenção, que se trata de uma criança que fica esperando que os outros façam uma atividade para depois fazê-la, ou seja, que existe algo que realmente pareça que não esteja entendendo é quando devem avisar aos pais para que levem a criança ao pediatra. Na escola, quando as crianças não estão bem motivadas, se não estiverem ouvindo bem, não participam ou que seja excessivamente inquieta, ela pode ter um déficit auditivo.

Causas e diagnóstico da surdez infantil

Causas e diagnóstico da surdez infantil

As causas para que o bebê nasça surdo são muitas. Além dos fatores hereditários, durante a gravidez, algumas complicações ou comportamentos maternos podem gerar bebês com problemas de audição.

O estímulo auditivo nos bebês

O estímulo auditivo nos bebês

A audição do seu bebê. As vozes humanas são os sons que mais atraem a atenção do bebê e é importante saber usar esse recurso para chamar sua atenção com distintas vozes, tons, canções e risos, estimulando a audição da criança.

Como saber se o bebê ouve bem

Como saber se o bebê ouve bem

O estímulo auditivo pode começar ainda quando o bebê está no ventre da sua mamãe. Será muito importante para o desenvolvimento da sua linguagem e comunicação.

Como prevenir a surdez em bebês e crianças

Como prevenir a surdez em bebês e crianças

Um dos primeiros exames que os bebês fazem ao nascer é o de audição, para detectar se o bebê pode ouvir. No entanto, os pais são os primeiros que podem detectar um problema de audição no seu filho, observando suas reações aos ruídos.

Desenvolvimento dos sentidos do bebê

Desenvolvimento dos sentidos do bebê

Todos os sentidos são fundamentais para que o bebê possa aprender sobre o seu ambiente. Através de situações cotidianas e normais a gente pode ajudar a criança a perceber toda a informação que os sentidos a proporciona, abrindo-lhe as portas ao mundo. Como os pais podem estimular os sentidos dos bebês?

0 comentarios